Glauber Rocha é anistiado em cerimônia na Bahia; cônjuge receberá indenização

Especial para o UOL Notícias

Em Salvador

  • Manoel Pires/Arquivo Folha Imagem

    O cineasta Glauber Rocha é reconhecido como anistiado político 29 anos após sua morte

    O cineasta Glauber Rocha é reconhecido como anistiado político 29 anos após sua morte

O cineasta baiano Glauber Rocha (1939-1981) foi anistiado nesta quarta-feira (26) pelo Ministério da Justiça, durante cerimônia em Salvador (BA). De acordo com a decisão, a cineasta Paula Gaitán, última cônjuge viva do cineasta, vai receber uma indenização de R$ 234.600 (valor retroativo a 2001) e uma pensão vitalícia de R$ 2.000. A Comissão de Anistia reconheceu que Glauber Rocha foi censurado e perseguido pela ditadura militar (1964-1985). Ao final do julgamento, Gaitán deu a entender que o valor será dividido com outros familiares do cineasta. “Vai haver um equilíbrio, somos muito unidos.”

Compareceram ao julgamento, realizado no teatro Vila Velha, no centro da capital baiana, o governador Jaques Wagner, o ministro da Cultura, Juca Ferreira (que fez a defesa do cineasta), Lúcia e Paloma Rocha, respectivamente mãe e filha de Glauber.

“Este é um momento de muita emoção para todos nós da família. Fico duplamente orgulhosa por ver meu pai anistiado e ver o reconhecimento do Brasil que faz isso. De um Brasil maduro que anistia seus filhos que lutaram pela liberdade democrática”, disse Paloma, responsável pelo início do processo, em 17 de maio de 2006.

De acordo com os autos, Glauber sofreu censura e perseguição “em sua produção criativa” durante a ditadura militar. Pela lei 10.559/2002, todas as pessoas que sofreram perseguição entre 18 de setembro de 1946 e 5 de outubro de 1988 podem ser anistiadas. As motivações devem ser exclusivamente políticas e não há prescrição para o requerimento das reparações.

Nascido em Vitória da Conquista (505 km de Salvador), Glauber Rocha é considerado um dos principais representantes do Cinema Novo. Trabalhou como jornalista e editor de um suplemento literário em Salvador e começou a se dedicar ao cinema no final da década de 50, quando fez “Pátio”. Nos anos 60, intensificou sua produção cinematográfica com “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, “Terra em Transe” e “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro”, entre outros.

Outros anistiados célebres
Além do cineasta, o Ministério da Justiça já concedeu a anistia a outras personalidades. Em 2008, os escritores Ziraldo Alves Pinto e Sérgio de Magalhães Gomes Jaguaribe, o Jaguar, receberam uma pensão vitalícia de R$ 4.375,88 e uma indenização de R$ 1.027.383,29 e R$ 1.000.253,24, respectivamente.

Em abril deste ano, o dramaturgo José Celso Martinez Corrêa foi contemplado com uma pensão vitalícia de R$ 5.000 e mais R$ 569.083,33 retroativos.

Segundo o ministério, cerca de 55 mil solicitações de anistia já foram julgadas pela comissão. Do total, 14 mil casos receberam algum tipo de reparação econômica e 18,5 mil pedidos foram negados. Em outros 22,5 mil processos, o Estado pediu desculpas aos atingidos.

Há ainda 11 mil processos aguardando definição em primeira instância e mais 3.500 com solicitação de recurso.

Com as indenizações, o governo já desembolsou R$ 2,4 bilhões. Para o cálculo das indenizações são levadas em consideração duas situações: um para quem não tinha vínculo laboral na época –cujo valor pode ser de até 30 salários mínimos por ano de perseguição, até um limite total de R$ 100 mil–, e outro para quem tinha trabalho, ou seja, é levado em consideração a possível progressão na carreira –essa categoria não tem limite de indenização.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos