PUBLICIDADE
Topo

Política

Em tom de despedida, Tasso Jereissati chama Lula de "decepção" e o compara a Macunaíma

Do UOL Notícias<br>Em São Paulo

08/12/2010 17h41

Derrotado na disputa ao Senado e vencido como membro da cúpula da campanha de José Serra (PSDB), o senador cearense Tasso Jereissati (PSDB) fez nesta quarta-feira (8) um discurso em tom de despedida no Congresso.

Lendo páginas previamente escritas, o político aproveitou para tecer críticas contundentes ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu governo. Segundo ele, "o governo reflete o caráter de seu líder".

O cearense chamou o petista de "uma decepção". "Nos decepcionou como político, como liderança comprometido com a ética e como símbolo de mudança da política no país." Em ataque ao apontado aparelhamento do Estado, Jereissati disse que "a cumplicidade com companheiros e aliados" não condiz com as expectativas do povo brasileiro.

O senador afirmou que o "loteamento de cargos em troca de apoio prevaleceu sobre compromissos planejados". O parlamentar citou diversos escândalos do governo Lula, com o caso Waldomiro, Francenildo, e as denúncias contra os ex-ministros da Casa Civil, José Dirceu e Erenice Guerra. "É no coração do governo onde a serpente põe seus ovos."

O político comparou o petista a Macunaíma, "herói errático" de Mário de Andrade que andaria pelo mundo sem plano que "não seja a sobrevivência". "Lula não teve a grandeza, não teve a grandeza de reconhecer os feitos de sua antecessor, Fernando Henrique Cardoso".

Jereissati criticou ainda as insinuações ventiladas na campanha de Dilma Rousseff sobre a tentativa dos tucanos de privatizar a Petrobras. O senador listou ainda as várias investidas que, segundo ele, Lula deu contra a liberdade de imprensa. Outro ponto importante da fala do cearense foi o posicionamento contra o tipo de oposição praticado pelo petista, que teria interesse em extinguir com adversários.

Por fim, o senador tucano agradeceu servidores e funcionários do Congresso e terminou seu discurso bradando contra "falsos profetas" e "usurpadores da esperança."

Política