PUBLICIDADE
Topo

Política

Episódio de Requião com jornalista divide opinião de senadores

Camila Campanerut

Do UOL Notícias<br>Em Brasília

26/04/2011 16h09

A sequência de ações desta segunda-feira (25) do senador Roberto Requião (PMDB-PR) ao arrancar o gravador de um repórter, apagar a entrevista e ameaçar de agredi-lo dividiu opiniões entre seus pares no Senado.

O líder do PSDB e também representante do Paraná, Alvaro Dias (PSDB-PR), foi discreto ao comentar o fato. “Prefiro aguardar a manifestação dele [Requião] em público antes de me pronunciar, mas eu prefiro tratar os jornalistas com civilidade.”

Já a também senadora pelo Paraná Gleisi Hoffmann (PT-PR) não temeu expor que lamentou o ocorrido. “Lamento que tenha acontecido desta forma. Acho ruim e eu só posso lamentar. Acho que o jornalista tem que procurar os seus direitos e resguardar sua integridade”, afirmou Gleisi.

A senadora petista Marta Suplicy (PT-SP) disse que não tinha interesse em falar sobre o assunto, e a mesma postura foi tomada pelos senadores Francisco Dornelles (PP-RJ) e Marisa Serrano (PSDB-MS), procurados pela reportagem do UOL Notícias.

O presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que ontem chamou Requião de “cavalheiro” classificou hoje o fato como “um episódio de temperamento”  e também rejeitou a ideia de que tenha se tratado de um cerceamento à liberdade de imprensa. 

O episódio de ontem ocorreu depois que Requião irritou-se com o repórter Victor Boyadjian, da Rádio Bandeirantes, que o questionou sobre a aposentadoria de R$ 24 mil que recebe como ex-governador do Paraná.

Requião chegou a esclarecer que a utiliza para pagar as ações que responde na Justiça, mas se enfureceu com a pergunta, arrancou da mão do jornalista o gravador e apagou a entrevista da memória do aparelho.

Somente no final do dia, o repórter pegou de volta entregou o equipamento e o respectivo cartão de memória sem a entrevista.

“Acompanhei pelos telejornais e pelos jornais e achei que foi um equívoco, ele deu uma entrevista praticamente completa e só no final que teve aquele pequeno desentendimento. Acho que já autorizou a divulgar toda a entrevista e [o assunto] está superado”, avaliou o senador Valdir Raupp (PMDB-RO). 

Testemunhas

A senadora Ana Amélia (PP-RS) presenciou o fato e discordou da ação do ex-governador do Paraná. “Eu estava presente ontem. É lamentável o  que aconteceu envolvendo um colega de profissão, eu também sou jornalista", disse ela.

O senador Paulo Paim (PT-RS) também acompanhou a cena, mas um pouco depois que o gravador foi tomado por Requião. “Fiquei sabendo no corredor, quando o repórter Victor me disse: ‘Paim, o Requião pegou o meu gravador’. E eu disse: 'Vai até o gabinete que eu tenho certeza de que ele vai te devolver”, disse o senador petista.  “Sem sombra de dúvida é um episódio que não agrada a ninguém."

De acordo com Paim, está prevista para o próximo dia 3 uma audiência pública na comissão de direitos humanos para discutir a liberdade de imprensa, na qual o caso voltará, indubitavelmente, a ser debatido.

Política