Topo

Na Câmara, PT quer anular homenagem de FHC a Fujimori

Fábio Brandt<br>Do UOL Notícias<br>Em Brasília

13/06/2011 10h47

 

Deputados petistas querem aproveitar a vantagem numérica na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados para aprovar um projeto parado desde 2008 que anula condecoração dada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) ao ex-ditador do Peru Alberto Fujimori.

O presidente da comissão, João Paulo Cunha (PT-SP), designou na última sexta-feira (10) o deputado governista Protógenes Queiroz (PC do B-SP) para relatar o projeto. Apesar de apenas recebido o texto, Protógenes afirmou ao UOL Notícias que seu parecer será favorável. “É tempo de o Brasil corrigir o erro. Trata-se de um ex-presidente corrupto e autoritário”, disse. A Liderança do PT na Câmara destacou a retomada da tramitação do projeto em seu boletim informativo.

Histórico

Durante visita oficial ao Peru em 22 de julho de 1999, FHC concedeu a Alberto Fujimori, então presidente de seu país, a Ordem do Cruzeiro do Sul, mais alta homenagem brasileira a estrangeiros. No ano seguinte, o peruano renunciou ao cargo por causa de um escândalo de corrupção. Hoje está preso, condenado por corrupção e violações de direitos humanos.

O projeto para cancelar a homenagem é o PDC 2229/2002. Foi apresentado no Senado em 2001 por Roberto  Requião (PMDB-PR) e aprovado pelos senadores em agosto de 2002, quando seguiu para a Câmara. Está emperrado na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania desde 2003: Protógenes é o quarto relator da matéria. O último foi José Genoíno (PT-SP), em 2008. Como o governo tem ampla maioria na Comissão, petistas esperam aprovar o relatório de Protógenes e enviá-lo ao plenário da Casa. Se aprovado em plenário, dependerá da sanção da presidente Dillma Rousseff para entrar em vigor.

Em 2011, a aproximação de ex-presidentes do Brasil com ditadores tornou-se tema recorrente por causa das revoltas no mundo árabe. Não passou batido o encontro de Lula com Muammar Gaddafi em que o petista chamou o ditador líbio de “amigo e irmão”, em 1º de julho de 2009.

Mais Política