FHC vê Lula como "marco histórico", se diz "careta" e a favor da descriminalização do aborto

Do UOL Notícias, em São Paulo

  • Daniel Marenco/Folhapress

    FHC na sabatina Folha/UOL: elogios a Lula, defesa do aborto e lembrança de Ruth Cardoso

    FHC na sabatina Folha/UOL: elogios a Lula, defesa do aborto e lembrança de Ruth Cardoso

As referências ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como um “marco histórico para o Brasil”, a autodefinição como “um careta” quando o assunto é maconha e a defesa da descriminalização do aborto marcaram a sabatina com o ex-presidente da República e presidente de honra do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, 80, na tarde desta sexta (9).

O evento foi realizado pela Folha e pelo UOL no teatro Folha, no centro de são Paulo, e durou cerca de uma hora. Os entrevistadores foram Ricardo Balthazar, editor do caderno "Poder", Mônica Bergamo e Vinicius Torres Freire, colunistas da Folha, e Irineu Machado, gerente geral de Notícias do UOL.

Corrupção, Lula e Dilma

Para FHC, casos de corrupção que marcaram a história recente do Brasil só ficaram conhecidos “por gestos”, ainda que com a economia de pano de fundo. “Mas a questão é política. Por que o mensalão ficou conhecido? Porque o [então deputado federal] Roberto Jefferson teatralizou o mensalão”, disse o ex-presidente.

Jefferson denunciou, em 2005, um esquema de pagamento de mesadas a deputados da base aliada ao governo Luiz Inácio Lula da Silva e abriu uma crise política que se arrastou até o fim do mandato do petista e custou a cabeça do então chefe da Casa Civil, José Dirceu. Tanto Jefferson como Dirceu acabaram cassados pela Câmara Federal.

Questionado sobre sua relação com Lula, FHC disse que tanto o governo dele quanto o do petista foram “marcos históricos para o Brasil”. A menção foi feita ao responder a uma pergunta da colunista Monica Bergamo, da Folha, sobre as diversas citações que ele faz a Lula no livro recém lançado “A Soma e o Resto”.

“Certamente nós dois ficamos mais tempo governando, marcamos presença e marcamos a história contemporânea do Brasil”, disse, para afirmar, na sequência, que tem uma “relação antiga e pessoal” com Lula –“como preza a civilidade”, ressaltou o ex-presidente, que contou falar constantemente com Lula.

Ao PT, contudo, o tom foi menos amigável.  “O PT, ao ocupar o Estado, deturpou muito as instituições --aí, divergimos profundamente.”

A respeito de Dilma Rousseff, afirmou que a presidente foi "muito generosa" com ele em carta enviada em seus 80 anos, em 2011, na qual a petista disse reconhecer seu legado. FHC disse ainda que Dilma "não é ingênua" de confundir a relação cordial entre ambos com ausência de críticas a seu governo.

Drogas e aborto

O ex-presidente se disse "careta" ao ser questionado sobre a descriminalização da maconha no Brasil. "Eu sou careta, tenho horror a cigarro. Mas isso não implica que eu tenha uma visão repressiva", afirmou.

"Eu não tinha consciência da gravidade [das drogas, em décadas passadas] como é hoje", disse, citando exemplos na América Latina em que as drogas estão associadas a outros crimes e entrevistas concedidas por ele próprio, em décadas passadas, sobre o assunto. "Mas o usuário não pode ser posto na cadeia --se põe, ele vai aprender outras drogas e outros crimes", emendou.

Sobre a criminalização do aborto, contudo, foi enfático: "Não pode ser crime".

"A Ruth é um apoio até hoje"

O tucano ainda lembrou da ex-mulher Ruth Cardoso, morta em 2008 em decorrência de problemas no coração. “Quando você tem uma relação forte com a pessoa, como no caso da Ruth, ela não vai embora --a toda hora isso volta”, disse. “A vida é difícil para todo mundo. Tem pico, glória, mas o que conta é o que está dentro de você e os seus próximos, o julgamento deles.Você tem que ter um apoio; a Ruth continua sendo um apoio pra mim até hoje.”

Erro sobre a reforma política

Indagado sobre a reforma política, FHC admitiu ter sido um erro não a ter apoiado durante seus dois mandatos, mas ressalvou: "Se começasse por ela, saberia que não sairia dela", disse.

Entretanto, o ex-presidente defendeu a implementação do voto distrital já para as eleições municipais de 2012. “Vamos experimentar; não existe solução mágica", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos