Topo

Em greve, servidores do Ministério das Relações Exteriores atendem só casos de emergência

Roberta Lopes

Da Agência Brasil, em Brasília

21/06/2012 19h27

Diplomatas e oficiais e assistentes de chancelaria do Ministério das Relações Exteriores entraram nesta quinta-feira (21) no terceiro dia de greve. Segundo informações do comando de greve, 90 postos no exterior paralisaram as atividades.

Segundo o secretário-geral do Sinditamaraty, Rafael de Sá Andrade, os postos no exterior estão atendendo apenas casos de emergência como morte, passaportes roubados, prisões, problemas em aeroportos, entre outros.

Aderiram à greve postos em cidades como Londres, Nova York, Paris, Washington, Istambul, Atlanta, Cairo, Cingapura, Tóquio, Houston e Munique

Os servidores do ministério pedem, além de reajuste salarial, questões de ordem estrutural e gestão de pessoas. Andrade disse que os grevistas estão realizando reuniões diárias com o secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Ruy Nunes Pinto Nogueira, e ele se comprometeu a levar as reivindicações da categoria para o Ministério do Planejamento.

Ibama

Hoje, servidores da área ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) realizaram paralisações de um dia em vários estados reivindicando a reestruturação da carreira de especialista em meio ambiente.

A presidente da Associação Nacional dos Servidores do Ibama (Asibama), Ana Maria Evaristo Cruz, disse que o governo federal tem prazo até 31 de julho para apresentar uma proposta para reestruturação da carreira da categoria.

Em Brasília, os servidores realizaram um protesto em frente à sede do Ibama com cruzes simbolizando o enterro do Código Florestal. Eles também chamaram atenção para a reestruturação da carreira. Segundo o presidente da Asibama-DF, Henrique Silva, está prevista para meados de julho uma nova negociação com o governo para discutir este tema.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sindsep -DF), dez órgãos públicos aderiram à greve: ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA), das Relações Exteriores, da Justiça, da Previdência Social (MPS), da Saúde, do Trabalho e Emprego (MTE), Arquivo Nacional, Funasa, Incra e Funai. Na segunda-feira, os servidores do Hospital das Forças Armadas (HFA) também devem aderir à greve.

O ministério do Planejamento informou que está negociando com cada uma das carreiras para tentar chegar a um acordo. Contudo, ainda não há qualquer definição sobre percentuais de aumento salarial ou reestruturação de carreira

 

Mais Política