Topo

Falamos "coisa de casal", diz mulher após se encontrar com Cachoeira por 15 min; termina 1º dia de audiência

Lourdes Souza e Rafhael Borges

Do UOL, em Goiânia

2012-07-24T19:17:42

2012-07-24T22:06:46

24/07/2012 19h17Atualizada em 24/07/2012 22h06

O primeiro dia de audiência da Justiça Federal de Goiás sobre a operação Monte Carlo, da Polícia Federal –que prendeu em fevereiro o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira– foi encerrada por volta das 18h45 desta terça-feira (25), em Goiânia.

A mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça, que acompanhou a sessão ao longo do dia, pediu em voz alta para falar com o companheiro por 30 minutos. O juiz autorizou o encontro por 15 minutos, e os dois se retiraram do auditório acompanhados de policiais federais que fazem a escolta e segurança da audiência.

Após o encontro, Andressa foi cercada por jornalistas e disse que eles falaram de "coisa de casal". A mulher do bicheiro disse que a imprensa estava querendo "saber demais" da intimidade deles, e não respondeu quando foi perguntada se o marido falaria no depoimento previsto para amanhã.

“Somos cúmplices no amor”, diz Andressa sobre Cachoeira

Houve correria na saída de Cachoeira da audiência, e o carro da Polícia Federal que levava o contraventor bateu em outro veículo da corporação, quase atropelando jornalistas. Um cinegrafista teve o equipamento danificado. 

Hoje foram ouvidos hoje apenas duas das 14 testemunhas previstas: os dois agentes da PF Luiz Carlos Pimentel e Fábio Alvarez, que participaram da operação. O Ministério Público Federal requereu a dispensa das outras duas testemunhas de acusação.

Os advogados dos acusados pediram a suspensão da audiência e o retorno da mesma na manhã desta quarta-feira (25) --o que foi aceito pelo juiz federal Alderico Rocha Santos. O advogado de Wladimir Garcêz –apontado como braço político de Cachoeira–, Ney Moura Teles, informou que dispensou 4 das dez testemunhas de defesa que iriam falar hoje. Segundo o magistrado, outra testemunha de defesa também foi dispensada.

Os trabalhos serão retomados amanhã, quando sete testemunhas ainda devem ser ouvidas. Os primeiros serão dois agentes da Polícia Federal --os nomes só são informados no momento em que os depoentes entram no auditório da Justiça Federal. O depoimento mais aguardado é o de Cachoeira, que pode falar publicamente, pela primeira vez, sobre as acusações.

A expectativa é de que as atividades possam ser prorrogadas até a próxima sexta-feira (27), caso os réus decidam se pronunciar. 

Se usarem o direito constitucional de permanecer em silêncio, segundo os defensores e o magistrado que conduz o procedimento, as audiências podem terminar amanhã, mesmo que seja necessário entrar no período da noite. 

O caso

Carlinhos Cachoeira é acusado de chefiar uma quadrilha que comandava jogos ilegais, principalmente em Goiás, e de usar de influência com parlamentares, como o ex-senador Demóstenes Torres, para manipular licitações e facilitar a entrada de empresas supostamente ligadas a ele e outros aliados nos governos do Distrito Federal, Rio de Janeiro e Goiás.

Pelas suspeitas de envolvimento com Cachoeira, Demóstenes teve o mandato cassado no último dia 11. Os governadores Agnelo Queiroz (PT-DF), Sérgio Cabral (PMDB-RJ) e Marconi Perillo (PSDB-GO) foram citados em escutas telefônicas feitas pela Polícia Federal durante as operações Vegas e Monte Carlo.

Os envolvidos assumem ter falado com Cachoeira em algumas situações e motivos diversos, mas negam envolvimento nas ações do bicheiro.

Mais Política