PUBLICIDADE
Topo

Política

Procuradoria Geral da República nega ter decidido sobre investigação de Lula em primeira instância

Do UOL, em Brasília

09/01/2013 11h25Atualizada em 09/01/2013 13h46

Após o jornal "O Estado de S. Paulo" publicar que a Procuradoria Geral da República decidiu enviar à primeira instância investigação sobre os depoimentos do publicitário Marcos Valério que envolvem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a assessoria de imprensa do órgão negou nesta quarta-feira (9) que tal decisão já tenha sido tomada.

Em nota, a PGR informa que "o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ainda não iniciou a análise do depoimento de Marcos Valério, pois aguardava o término do julgamento da AP 470 (mensalão). Esclarece ainda que somente após a análise poderá informar o que será feito com o material. Portanto, não há qualquer decisão em relação a uma possível investigação do caso".

Em dezembro, Gurgel afirmou que iria analisar o caso e, se houvesse indícios para investigar Lula, isso aconteceria na primeira instância da Procuradoria, porque, como ex-presidente, ele não detém mais foro privilegiado.

Entenda as novas denúncias de Valério

Em depoimento ao Ministério Público em 24 de setembro, a que o jornal "O Estado de S. Paulo" teve acesso, o empresário Marcos Valério, considerado o operador do mensalão, teria dito que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou dinheiro do esquema para "despesas pessoais". Os recursos teriam chegado a Lula por meio de depósito na conta da empresa de Freud Godoy, ex-assessor do petista.

Segundo o depoimento de Valério reproduzido pelo jornal, Lula teria ainda dado "OK" para empréstimos de Valério junto a bancos para financiar o esquema do mensalão. A contrapartida pela ajuda de Valério teria sido o pagamento da defesa do publicitário no julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal, no valor de R$ 4 milhões. O PT nega ter pago os honorários, e o advogado de Valério, Marcelo Leonardo, não se manifestou.

A estratégia do empresário, condenado a mais de 40 anos de prisão no julgamento do mensalão, é que a Procuradoria leve em conta a contribuição dele para revelar detalhes do esquema e tenha a sua pena atenuada, como aconteceu com o delator do esquema, Roberto Jefferson.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, declarou que lamenta "profundamente que o jornal tenha induzido ao erro seus leitores e outros órgãos da imprensa, já que não há hoje nenhuma decisão oficial sobre o assunto por parte da Procuradoria-Geral da República, de acordo com manifestação oficial do órgão desmentindo a matéria. Estranho tal equívoco na primeira página de um jornal tão tradicional como O Estado de S. Paulo, e prefiro acreditar que não existiu nenhum viés mal-intencionado no ocorrido."

Política