PUBLICIDADE
Topo

Política

Beijaço contra Feliciano reúne simpatizantes da causa gay em São Paulo

Manifestantes se beijam durante ato realizado neste sábado (23) na avenida Paulista, centro de São Paulo, contra o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) - J. Duran Machfee/Futura Press
Manifestantes se beijam durante ato realizado neste sábado (23) na avenida Paulista, centro de São Paulo, contra o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) Imagem: J. Duran Machfee/Futura Press

Marli Moreira

Da Agência Brasil, em São Paulo

23/03/2013 19h27

A três dias da decisão sobre a permanência ou não do pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, mais um protesto ocorrido hoje (23), na avenida Paulista, reforçou a rejeição ao parlamentar.Desde que o líder religioso fez comentários preconceituosos contra homossexuais e negros por meio das redes sociais, vários segmentos da sociedade têm defendido o afastamento dele da presidência da comissão.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) que, no último dia 20, apelou para que o deputado renunciasse ao cargo, deve tomar uma decisão sobre o caso até a próxima terça-feira (26) .

Como forma de ironizar a conduta do parlamentar, um pequeno grupo de gays e simpatizantes da causa reuniram-se, no final da tarde de hoje (23), no Beijaço de Repúdio, ato organizado por meio do Facebook. A manifestação, na esquina da avenida Paulista com a rua da Consolação, próximo à região central, foi organizada pelo historiador Augusto Patrini, de 32 anos.

“Com esse ato, queremos mostrar que o amor entre duas pessoas - não importa o sexo - é uma coisa bonita e não tem nada de vergonhoso, ao contrário do que prega o deputado Feliciano”, disse Patrini. “Ele é uma pessoa racista e homofóbica e não pode estar em uma comissão de Direitos Humanos”, disse.

Política