Topo

Em culto, Feliciano critica "perseguição" e diz ser um "mito"

Carlos Madeiro

Do UOL, em Maceió

08/04/2013 15h42

Em meio às críticas em torno de sua permanência à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, o deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), em culto na noite do último sábado (6), em Belém, criticou o que chamou de “perseguição” que sofre para deixar o posto e disse ser um "lenda" e um “mito”.

Em um vídeo postado na internet no domingo (7), é possível assistir um trecho do culto que o deputado participou, onde Feliciano arranca aplausos e diversos gritos de “glória a Deus” das cerca de 5.000 pessoas que acompanharam o evento.

Assista a vídeo de Feliciano em Belém

Na pregação, Feliciano disse que sofre um perseguição como “nunca antes” no país, mas disse que está provocando mudanças no penamento das famílias brasileiras.

“Eu sinto uma mudança nos ares Brasil. Eu sinto uma força de Deus dentro das famílias, que começaram a despertar. Não só nós, evangélicos, mas os católicos e até os ateus que prezam pela família. Estamos vendo uma perseguição que nunca antes houve. Querem mudar os conceitos e valores, mas não vão mudar”, disse o deputado, citando também, o protesto que enfrentou de manifestantes capital paraense.

  • 6948
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2013/03/26/qual-a-sua-opiniao-a-respeito-da-presenca-do-deputado-pastor-marco-feliciano-na-comissao-de-direitos-humanos-da-camara.js

“Vocês sabem de toda essa perseguição que estou sofrendo. Inclusive tem umas 15 pessoas aí fora. E estamos aqui com pelo menos 5.000. Devemos pedir orações para eles. Eu não duvido que, daqui a um ano, quando estiver de volta, eles estarão aqui, ouvindo nossas orações", disse.

O deputado ainda fez uma previsão de que mudança vão ocorrer no país. "Avisa ao Brasil que vai soprar um furacão de mudanças. Porque quem manda ainda nessa nação é Deus. O vento sopra para onde ele quer, não para onde eu quero."

Protesto

Em frente ao Centro de Convenções da Assembleia de Deus, localizada na rodovia Augusto Montenegro, em Belém, um grupo de cerca de 20 manifestantes protestaram contra a visita de Feliciano à capital paraense.

Com direito a beijos entre homossexuais, cartazes e máscaras,  eles pediram a saída de Feliciano da presidência da Comissão da Câmara.
 
Procurada por jornalistas, a assessoria de imprensa do deputado informou que ele não falaria com a imprensa em Belém, onde teria ido apenas como pastor, e não como deputado. A assessoria disse ainda que o pastor deve conversar com jornalista nessa terça-feira (9).
 

Mais Política