Topo

Escritório que empregou Dirceu defende acusado de mensalão tucano

José Dirceu chega para primeiro dia de trabalho em escritório de advocacia - Ailton de Freitas / Agência O Globo
José Dirceu chega para primeiro dia de trabalho em escritório de advocacia Imagem: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Carlos Eduardo Cherem

Do UOL, em Belo Horizonte

03/07/2014 13h56

O ex-ministro petista José Dirceu começou a trabalhar nesta quinta-feira (3) no escritório do advogado José Gerardo Grossi. Entre outras ações, Grossi é o defensor do ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) no processo do mensalão tucano. Segundo ele, Dirceu e o tucano são adversários, mas não vai ter problema.

“Não há incompatibilidade. Ele [Dirceu] é funcionário administrativo, não vai trabalhar com processos nem terá acesso a eles”, afirmou Grossi ao UOL. Ele também diz que seu escritório atua na defesa de políticos de diversos partidos, como a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e o deputado federal Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara dos Deputados.
 

“Já atuei na defesa do Lula e do ACM [ex-governador da Bahia Antônio Carlos Magalhães, morto em 2007]. Atendemos a pessoa, o partido não interessa”, disse. “O Dirceu vai fazer um bom trabalho, mas não vai atuar nos processos. Eles [Dirceu e Azeredo] são adversários, mas não vai ter problema."

“Ele trabalho direitinho toda a manhã e vai almoçar no escritório mesmo. Eu é que saí para almoçar em casa”, descreve. 

Penas do mensalão

Confira como ficaram as condenações após o STF decidir sobre todos os recursos do histórico julgamento

Crimes e multas

Azeredo diz não se incomodar tampouco com a situação. “Não vejo incompatibilidade de o Dirceu trabalhar lá [no escritório de Grossi]. É um escritório de advocacia que presta serviços para vários outros clientes de diferentes partidos, mantendo sempre a imparcialidade necessária a cada caso”, afirmou o ex-governador.

“Um exemplo disso é a boa defesa que Grossi apresentou ao STF na ação 536 [o chamado mensalão tucano], mas que pouca gente leu ou divulgou”, disse. 

Política