PUBLICIDADE
Topo

"Paguei sim", diz Dilma sobre "pedaladas fiscais"

Do UOL, em São Paulo

07/12/2015 21h14

A presidente Dilma Rousseff justificou na noite desta segunda-feira (7) as chamadas "pedaladas fiscais" como forma de manter em funcionamento programas sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida.

"Uma parte do que me acusam é de ter pago o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Paguei sim. Nós pagamos com o dinheiro do povo brasileiro. Não foi empréstimo, foi o dinheiro legítimo dos tributos pagos pelo povo deste país", afirmou.

O artifício das "pedaladas fiscais" consiste em utilizar recursos dos bancos públicos para o pagamento de despesas da alçada do Tesouro Nacional. Com isso, os balanços do governo apresentaram resultados artificialmente melhores, driblando a necessidade de cortar gastos. Por esta razão, o Tribunal de Contas da União rejeitou as contas de 2014 da gestão de Dilma Rousseff à frente da Presidência da República.

Dilma discursou em Brasília durante a abertura da 10ª Conferência da Assistência Social. Em vários momentos, o público presente gritou em uníssono palavras de ordem como "Não vai ter golpe". 

A presidente afirmou também que os adversários apostam no "quanto pior melhor", mas que ela tem força suficiente para unificar o país. "Repito que não há nenhuma justificativa para que isso ocorra (impeachment). Exceto para aqueles que acham que tem um atalho para chegar à presidência da República", afirmou.

"Nós temos que unificar o país. O país unificado é maior que tudo. Nós vamos unificar dentro da democracia, do estado de direito. Os golpes não constroem a harmonia, a unidade, a pacificação necessária. Os golpes constroem o caos", acrescentou. A presidente defendeu ainda a política de cotas para negros na universidade.

Política