Em outros países, quem grampeia o presidente sem autorização vai preso, diz Dilma

Do UOL, em São Paulo

Em mais uma crítica à atuação do juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (18) que "grampear o presidente", sem a autorização do STF (Supremo Tribunal Federal), é crime e dá cadeia em outros países.

Dilma se referia à interceptação e divulgação de uma conversa telefônica entre ela e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Em muitos lugares do mundo, quem grampear o presidente vai preso se não tiver autorização judicial da Suprema Corte (...) Grampeia o presidente dos Estados Unidos e vê o que acontece com quem grampear", declarou Dilma, em Feira de Santana (BA), onde participou da entrega de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida. 

Ontem, na posse de Lula, a presidente classificou o episódio como "agressão à democracia". No mesmo dia, Moro disse não ver problema na gravação da conversa entre Lula e Dilma. "Nem mesmo o supremo mandatário da República tem um privilégio absoluto no resguardo de suas comunicações", escreveu em despacho para defender a legalidade da interceptação do diálogo.

Moro citou como exemplo, no mesmo documento, o ex-presidente norte-americano Richard Nixon, que renunciou na década de 70 durante um escândalo político conhecido como caso Watergate.

Sem citar o nome de Moro, Dilma afirmou hoje que Nixon foi o autor dos grampos. "Ele não podia grampear sem autorização porque deu na cabeça dele. Nem presidente da República pode grampear sem autorização. O que dizer de outras hierarquias?", questionou.

Dilma declarou ainda ser "a favor do rigoroso combate à corrupção", mas questionou métodos que, segundo ela, violam a democracia. "Eu sou a favor de que todos os corruptos que cometam crimes vão para a cadeia. A única coisa que eu não sou a favor é que alguém justifique que, para combater a corrupção, a democracia tem de ir junto", disse.

Em seu discurso, a presidente criticou também o que ela chamou de "politização" das instituições. "O meu governo respeita o Ministério Público e o Judiciário, mas consideramos uma volta atrás na roda da história a politização de qualquer uma dessas instituições".

Rodrigo Félix Leal/Estadão Conteúdo
Moro disse não ver problema na gravação da conversa entre Lula e Dilma

Polêmica dos grampos

Na quarta-feira (16), cerca de duas horas após o Palácio do Planalto anunciar que Lula seria o novo ministro da Casa Civil, a Polícia Federal divulgou o conteúdo de conversas telefônicas de Lula, interceptadas com autorização da Justiça.

A divulgação ocorreu depois que o juiz Sérgio Moro, que coordena a Operação Lava Jato, quebrou o sigilo das investigações e, com isso, tornou públicas gravações contidas no processo.

Em uma das conversas, Dilma e Lula conversam por telefone a respeito do termo de posse do ex-presidente como ministro, que dá foro privilegiado ao petista.

Segundo interpretação dos investigadores, a gravação dá a entender que o governo federal teria agido para tentar impedir uma eventual prisão do ex-presidente, que é investigado pelo Lava Jato. Essa gravação foi interceptada pela Polícia Federal poucas horas antes de ser divulgada, às 13h32 de quarta-feira.

Ouça o polêmico trecho da conversa entre Lula e Dilma

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos