'Não dá para ficar tomando jato de água', diz manifestante em SP

Marcelo Freire

Do UOL, em São Paulo

  • Marcelo Freire/UOL

    A cozinheira Renata Lutti, 50, participa de ato anti-Dilma que bloqueou um trecho da avenida Nove de Julho

    A cozinheira Renata Lutti, 50, participa de ato anti-Dilma que bloqueou um trecho da avenida Nove de Julho

"A gente ficou até onde deu para ficar", disse a cozinheira Renata Lutti, 50, sobre a remoção das barracas que ocuparam um trecho da av. Paulista, em São Paulo, por cerca de 40 horas. "Não dá para ficar tomando jato d'água e bomba de caminhão"

Segundo a cozinheira, os manifestantes e a polícia tinham um acordo de que iriam desbloquear a avenida hoje e retornar depois do ato do PT, marcado para começar às 16h no vão livre do Masp. "Essa é a ideia e não entrar em confronto. A gente entendeu que não tinha como ficar lá. Vamos sair e, a partir das 18h, voltar e continuar a vigília."

"O que tentamos foi tirar os outros, que estavam mais exaltados, só que a gente não conseguiu, não dá. Cada um faz o que quer", explicou Renata. O grupo de manifestantes não possui uma liderança definida. Vários se conheceram nos últimos dias, no local ou através de grupos de WhatsApp.

Sob vaias, polícia tira manifestantes anti-Dilma da Paulista

  •  

Para remover os cerca de 40 manifestantes que amanheceram acampados na Paulista, a polícia utilizou jatos de água e bombas de efeito moral. Não foram disparados tiros de borracha, como em outras manifestações recentes na cidade, e ninguém ficou ferido. Apesar do conflito desta sexta-feira (18), a vigília dos manifestantes é, de forma geral, pacífica e com um discurso de apoio à polícia.

A avenida foi desbloqueada por volta das 9h10, após ação que utilizou dois caminhões do choque e por volta de 20 policiais. Na sequência, cerca de 30 manifestantes foram para a avenida 9 de Julho e bloquearam parcialmente a via sentido centro (a faixa de ônibus seguiu liberada). O ato dispersou perto das 12h, e o trânsito flui normalmente.

"Vivemos um momento político atípico, e o bom senso deve ser prevalecido. Ontem não tínhamos nenhuma manifestação marcada previamente na Paulista. Foi avisado que hoje não seria permitida a continuidade. Houve necessidade do uso progressivo da força para garantir a tranquilidade de todos à tarde", explicou o Secretário de Segurança Pública do Estado, Alexandre de Moraes (PSDB), em entrevista à rádio BandNews FM.
 
A tropa da PM começou a negociar desde a manhã desta sexta com os manifestantes pró-impeachment que estavam em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O intuito foi evitar um possível choque com manifestantes pró-governo, que têm ato marcado para as 16h desta sexta na avenida. A concentração será às 15h, no vão livre do Masp. 

Com água e bombas, PM dispersa manifestantes na Paulista

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos