PUBLICIDADE
Topo

MBL teme reação violenta pró-governo; MST diz que não sai das ruas e é pacífico

Acampamento do MST em Brasília durante preparativos para protestos no domingo - Flávio Costa/UOL
Acampamento do MST em Brasília durante preparativos para protestos no domingo Imagem: Flávio Costa/UOL

Flávio Costa

Do UOL, em Brasília

15/04/2016 16h50

Líderes pró e contra o impeachment dizem temer confrontos, embora ambos os lados tenham feito discursos pacíficos e pedido para que seus membros não aceitem provocações do outro lado.

"Pelas declarações públicas ameaçadoras de líderes e aliados do governo, nós tememos uma reação violenta do governo quando o processo de impeachment for aprovado pelo plenário da Câmara." A afirmação é do professor Maurício Bento, 24, apoiador do MBL (Movimento Brasil Livre).

O MST (Movimento dos Sem Terra) refuta esses argumentos. Para o membro da direção nacional Marco Antonio Baratto, não há motivo para "o medo" por parte dos grupos pró-impeachment. "Não vamos usar a violência qualquer que seja o resultado da votação na Câmara. Se o impeachment passar, nossa luta será política e com foco na nossa pauta, que é a reforma agrária."
 
Em conjunto com outros movimentos pró-impeachment, o MBL começa a ocupar o espaço que lhe cabe na Esplanada dos Ministérios a partir do final da tarde desta sexta-feira (15). "Estamos conversando com todas as pessoas que participarão das nossas manifestações para que não aceitem provocações", disse Bento. 
Acampamento no Parque da Cidade - Elza Fiuza/Agência Brasil - Elza Fiuza/Agência Brasil
Acampamento no Parque da Cidade, em Brasília, que reúne pessoas pró-impeachment
Imagem: Elza Fiuza/Agência Brasil

Ele diz acreditar que o momento mais crítico será logo após o encerramento da votação no plenário da Câmara, que decidirá pela continuidade ou não do processo de destituição da presidente Dilma Rousseff, durante a noite de domingo (17).

Nesse dia, pelo menos 3.000 policiais militares do Distrito Federal estarão patrulhando as ruas de Brasília. A maior concentração será na Esplanada dos Ministérios, onde foi instalado um muro metálico de dois metros de altura para separar os grupos antagônicos. Espera-se que pelo menos 200 mil pessoas compareçam ao local durante a votação na Câmara.

Bento declara que o MBL continuará lutando pelo afastamento da presidente através dos meios legais, caso o Plenário da Câmara não aprove a continuidade do processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff. "Nós trabalhamos com a persuasão, defendemos nosso ponto de vista com argumentos e, na hipótese da não aprovação do impeachment ,não iremos apelar para a violência."

Já Baratto afirmou que nos últimos dias o acampamento montado por movimentos sociais ao lado do Estádio Nacional de Brasília - Mané Garrincha, em Brasília, tem sido alvo de hostilidades por pessoas que passam de carro pelo local. "O que pode haver é um ato espontâneo de alguém, mas nossa orientação é não provocar nem cair em provocação."
 

No "Fla-Flu" da política, manifestantes disputam até grito de guerra

UOL Notícias

Grupos pró e contra impeachment já acampam no DF à espera de domingo

UOL Notícias

Política