PUBLICIDADE
Topo

Prêmio Nobel da Paz encontra Dilma e diz que há um "golpe brando" no Brasil

Dilma recebe o argentino Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz, no gabinete do Palácio do Planalto, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress
Dilma recebe o argentino Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz, no gabinete do Palácio do Planalto, em Brasília Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Ricardo Marchesan

Do UOL, em Brasília

28/04/2016 11h14

A presidente Dilma Rousseff se encontrou na manhã desta quinta-feira (28) com o argentino Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz em 1980.

Segundo Esquivel, sua presença ao Palácio do Planalto foi para dar "solidariedade e apoio". Ele chamou o processo de impeachment de um "golpe brando".

"Temos muito claro que o que se está preparando aqui é um golpe de Estado", disse.

Ele comparou a crise brasileira com a do Paraguai, que levou à saída do ex-presidente Fernando Lugo, e de Honduras, que retirou Manuel Zelaya do poder.

"Esses golpes brandos já se colocaram em prática no continente em países como Honduras e Paraguai", afirmou. "A mesma metodologia, que não necessita das Forças Armadas, estão utilizando aqui no Brasil".

Esquivel fez um apelo para "que não se interrompa o processo constitucional do Brasil porque isso seria um dano, não apenas ao povo brasileiro, mas para toda a América Latina".

Ele também afirmou que Dilma "não pode ser acusada de corrupção sob nenhum ponto de vista", e disse que os problemas devem ser resolvidos com o diálogo e consenso.

O vencedor do Nobel disse ainda que Dilma agradeceu o apoio e está "firme", aguardando o fim do processo do impeachment no Senado.

Arquiteto, escultor e ativista, Esquivel recebeu o Nobel por sua luta pelos direitos humanos durante o regime militar na Argentina.

Nos anos 1970, ele chefiou a Serpaj (Servicio de Paz y Justicia), organização latino-americana de defesa dos direitos humanos.

Em 1977 foi preso e torturado pelo ditadura argentina, sendo liberado 14 meses depois.

Impeachment passo a passo: o que aconteceu e o que pode acontecer

UOL Notícias

Política