Polêmicas, recuos e protestos: o 1º mês do governo Temer em fotos

Do UOL, em São Paulo

  • Dida Sampaio - 10.jun.2016/Estadão Conteúdo

    Temer no Palácio do Planalto; início de governo marcado por polêmicas

    Temer no Palácio do Planalto; início de governo marcado por polêmicas

O governo do presidente interino, Michel Temer, completa seu primeiro mês repleto de polêmicas, recuos e protestos. Em apenas 30 dias couberam a saída de dois ministros, o fim e a recriação do Ministério da Cultura, as críticas a um gabinete só de homens brancos e manifestações quase diárias pelo Brasil lideradas por movimentos sociais e centrais sindicais, muitos deles próximos do governo da presidente afastada, Dilma Rousseff. 

Temer assumiu a Presidência interina no dia 12 de maio e, no mesmo dia, deu posse a seu gabinete. Na foto da cerimônia, uma paisagem homogênea: homens brancos, entre eles raposas com décadas na política, como Romero Jucá, Geddel Vieira Lima e Eliseu Padilha, todos do PMDB.

Dida Sampaio - 12.mai.2016/Estadão Conteúdo
Temer dá posse a seu gabinete, dominado por homens brancos

O gabinete foi fonte constante de problemas nos primeiros 30 dias de Temer. Investigado na Lava Jato e nomeado para o Planejamento, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) deu dor de cabeça ao governo interino depois da revelação de gravações em que conversava, antes do afastamento de Dilma, com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado (também investigado na Lava Jato) sobre um "pacto" para mudar o governo e "estancar a sangria" provocada pela revelação do esquema de corrupção na Petrobras.

André Dusek - 24.mai.2016/Estadão Conteúdo
Jucá discursa no Congresso; senador deixou Planejamento após gravações

Em outra gravação de Machado, o então ministro da Transparência, Fiscalização e Controle (antiga CGU, a Controladoria-Geral da União), Fabiano Silveira, apareceu orientando o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o ex-presidente da Transpetro sobre "providências e ações" contra a Lava Jato.

Antonio Cruz - 30.mai.2016/Agência Brasil
Servidores da extinta CGU lavaram porta de gabinete para pedir saída de ministro

Além das nomeações contestadas, Temer foi atacado por extinguir e fundir ministérios, principalmente na área social. A gritaria maior aconteceu no caso do Ministério da Cultura, que virou parte da pasta da Educação. A resposta foi imediata: artistas e integrantes de movimentos sociais ocuparam prédios públicos da Cultura em todo o país. No Rio, pesos-pesados da MPB, como Caetano Veloso, Erasmo Carlos e Arnaldo Antunes, apoiaram o protesto com shows na ocupação.

Alessandro Buzas - 20.mai.2016/Futura Press/Estadão Conteúdo
Caetano e Erasmo Carlos fazem show em ocupação contra fim do Minc no Rio

Os protestos não se restringiram à extinção do MinC. As propostas para mudar as regras da aposentadoria e mudanças no Minha Casa, Minha Vida levaram a manifestações inclusive na porta da casa de Temer. No bairro paulistano de Alto de Pinheiros, onde a família presidencial vive, vários muros foram pichados com a frase "Fora, Temer". 

Newton Menezes/ Futura Press/ Estadão Conteúdo
Protesto contra Temer próximo à casa do presidente interino em SP

Na avenida Paulista, coração de São Paulo, o prédio da Presidência foi ocupado por militantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), inclusive com confronto com a Polícia Militar

Miguel Schincariol - 1º.jun.2016/AFP
No dia 1º, militantes do MTST ocuparam o prédio da Presidência em São Paulo

A ocupação acabou um dia depois, com o anúncio de que o governo voltaria atrás nos cortes no Minha Casa, Minha Vida. E voltar atrás foi tão frequente neste primeiro mês de Temer quanto as polêmicas envolvendo o governo. Jucá tentou dourar a pílula e disse que tiraria uma "licença", mas foi exonerado após 12 dias no cargo. Silveira pediu para sair. O MinC foi recriado. E, numa tentativa diversificar a paisagem de homens brancos no alto escalão, Maria Silvia Bastos Marques foi nomeada presidente do BNDES.

Tomaz Silva - 7.jun.2016/Agência Brasil
Após críticas por falta de mulheres ministras, Temer nomeou Maria Silvia para o BNDES

Nos corredores do poder interino, as fotos de Dilma Rousseff saíram e voltaram das paredes do Palácio do Planalto em 24 horas.

Gustavo Uribe - 13.mai.2016/Folhapress
Após fotos de Dilma serem tiradas do Planalto, Temer determinou que ficassem

Até o logotipo do governo foi centro de polêmica. A primeira versão foi inspirada em uma versão antiga da bandeira nacional, com cinco estrelas a menos. 

Arte UOL
1º logotipo do governo Temer usou modelo antigo da bandeira, com menos estrelas

Na economia, o ministro da Fazenda e Previdência, Henrique Meirelles, defendeu mudanças nas regras da aposentadoria inclusive para os trabalhadores no mercado -- apesar de Temer ter assumido dizendo que eventuais mudanças na lei trabalhista e na aposentadoria não vão afetar direitos adquiridos.

Evaristo Sá - 21.mai.2016/AFP
Meirelles quer mudar regras na aposentadoria para quem está no mercado

A reforma da Previdência ainda não chegou ao Congresso, mas o Legislativo mostrou neste primeiro mês que vive uma lua de mel com o Executivo ao aprovar uma meta fiscal com deficit de R$ 170,5 milhões.

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Temer leva proposta de meta fiscal ao Congresso, que aprovou deficit de R$ 170 bi

Temer continua como presidente ao menos até meados de agosto, quando o Senado decide se tira Dilma de vez do poder ou a reconduz à Presidência

Pedro Ladeira - 25.mai.2016/Folhapress

 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos