Eleição de Maia enfraquece "centrão", diz líder da oposição a Temer

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    Rodrigo Maia (ao centro) comemora vitória na Câmara

    Rodrigo Maia (ao centro) comemora vitória na Câmara

Líder dos partidos de oposição ao governo interino na Câmara, a deputada Jandira Feghali (PCdoB) afirma que o resultado da eleição que levou Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara "com certeza" representa "um enfraquecimento de [Eduardo] Cunha e do centrão", disse em entrevista a jornalistas nesta quinta-feira (14).

Maia foi eleito com 285 votos contra 170 de Rogério Rosso (PSD-DF), candidato apontado como preferido pelos partidos do "centrão", bloco informal de 13 legendas que ganhou protagonismo na gestão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara.

A disputa teve 12 candidatos de partidos da base do presidente interino, Michel Temer, o que, para Jandira, mostra que o apoio governista está "fragmentado" na Câmara. "Aumentou a fragmentação da base do governo", diz a líder da minoria.

O partido de Jandira, o PCdoB, anunciou apoio a Rodrigo Maia, assim como o PDT. Parte dos deputados do PT também teria escolhido Maia. A votação foi secreta.

A deputada, que não participou da votação por não concordar com o suporte ao candidato do DEM, diz que a opção dos partidos da antiga base da presidente afastada, Dilma Rousseff, foi uma escolha por reduzir a influência de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Casa, apontado como mais próximo de Rogério Rosso.

"A opção desses partidos foi derrotar Cunha", afirma Jandira. A deputada avalia que a identificação de Rosso com Cunha contribuiu para a derrota do candidato do PSD. Rosso tem rejeitado o rótulo de aliado do peemedebista e diz que mantinha apenas relações "respeitosas" por ser líder de seu partido e Cunha, ex-presidente da Câmara.

Líder de partido do "centrão" vê união

O líder do PR, Aelton Freitas (MG), diz discordar da avaliação de Jandira e afirma que o resultado da eleição unificou a base do governo, pois aproximou o DEM e o PSDB, principais partidos que apoiaram a candidatura de Maia. Apesar de o PR ser apontado como integrante do centrão, Freitas diz que a classificação não teria relevância, pois são todos partidos da base governista.

"Acho que [a eleição] vai fortalecer. Porque se estivesse tendo um racha, era com esses partidos e o DEM e o PSDB. Agora aglutinou o DEM e o PSDB. Quem ganha com isso é o governo", diz. "Acho que a mídia que está fazendo a divisão da base do governo", afirma Freitas.

O PR teve candidato próprio e decidiu apoiar Maia no segundo turno.

Oposição a Temer

A deputada do PCdoB afirma que os partidos de oposição vão buscar se contrapor a algumas das principais pautas econômicas do governo interino, como a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que limita os gastos públicos, a permissão para que a Petrobras não participe da exploração de campos do pré-sal e as privatizações previstas pelo governo Temer.

Para conseguir pressionar mesmo com menor número de deputados nas votações, Jandira diz contar também com manifestações populares contrárias a essas propostas.

"Vamos ter que aproveitar a fragmentação [da base governista] para poder ganhar espaço. E contar muito com as ruas", diz.

Cassação de Cunha será votada com quorum adequado, diz Rodrigo Maia

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos