PUBLICIDADE
Topo

Política

Em defesa no impeachment, Dilma critica uso "ideológico" de delação premiada

Veja alguns dos principais trechos do discurso de Dilma no Senado

UOL Notícias

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

29/08/2016 17h13

Dilma fez uma crítica nesta segunda-feira (29) à suposta utilização de mecanismos de combate à corrupção como o a lei da delação premiada, enviada ao Congresso Nacional durante o seu governo, como instrumento de perseguição política.

“O fato de eu ter enviado esta lei não autoriza a utilização do combate à corrupção como instrumento político neste país. Há um sepulcro caiado, um sepulcro caiado, como dizia a Bíblia, que transforma alguns em investigados, outros são denunciados e nunca mais investigados. O que não é possível não é a lei, é o uso indevido político e ideológico dessa lei. Se nós queremos respeito e sustentabilidade de uma lei, nós devemos fazer por onde”, afirmou.

A declaração foi feita durante seu depoimento na sessão do julgamento do processo de impeachment que tramita contra ela no Senado no momento em que ela respondia a questionamentos feitos pelo senador Eduardo Amorim (PSC-SE). Ela mencionou que durante seus governos e os do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tanto a Polícia Federal quanto o MPF (Ministério Público Federal) tiveram autonomia para investigar casos de corrupção. “Nós respeitamos a autonomia do MP indicando o primeiro da lista. Não nomeamos nenhum engavetador de processos. Demos condições para que a PF não utilizasse a sua estrutura para perseguir quem quer que seja”, afirmou, em crítica velada ao governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Desde 2014, integrantes de diversos partidos, entre eles o PT, PMDB, PP e PSDB, têm sido alvo de investigações conduzidas pelo MPF (Ministério Público Federal) no âmbito da Operação Lava Jato. As investigações indicam que partidos e políticos se beneficiavam de um esquema de cobrança de propina para financiar campanhas eleitorais pagas por empreiteiras que mantinham contratos com empresas estatais como a Petrobras e Eletrobras. Delações premiadas como a da empreiteira Andrade Gutierrez têm atingido a campanha de Dilma em 2014.

Dilma fez um discurso de quase 50 minutos na manhã desta segunda-feira, em que se disse injustiçada e chamou o processo de impeachment de "golpe". Em seguida, ela responde a perguntas de senadores. Pelo menos 49 senadores se inscreveram para fazer questionamentos à presidente.

Política