Na Paulista, Lindbergh agradece a Temer e diz: "está parecendo Collor"

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

  • Mirthyane Bezerra/UOL

    Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) abraça manifestante durante ato contra Temer (PMDB) em São Paulo

    Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) abraça manifestante durante ato contra Temer (PMDB) em São Paulo

Presente em ato contra o impeachmente, realizado na avenida Paulista, em São Paulo, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) ironizou a declaração do atual presidente Michel Temer (PMDB)  dada aos jornalistas na China, na última sexta (2), quando minimizou os protestos que ocorreram diariamente em São Paulo e questionou: "as 40 pessoas que quebram carro?".

"Eu quero agradecer a ele porque ajudou a convocar esta grande manifestação em São Paulo com a declaração. Está parecendo o Collor em 92, que pediu para o povo ir de verde e amarelo e o povo foi de preto. Eu quero agradecer a este golpista", disparou Lindbergh.

A cidade de São Paulo teve atos diariamente desde a última segunda e todos terminaram com repressão da polícia e cenas de vandalismo. Outras manifestações também foram feitas em todas as regiões do Brasil.

Já Fernando Collor ajudou a impulsionar seu próprio impeachment em 1992 ao convocar "todo o Brasil" em pronunciamentos a ir às ruas com as cores da bandeira do país, em uma tentativa de demonstrar que os que pediam sua saída era minoria. O povo, contudo, usou preto em protesto que aumentou a pressão sobre seu governo.

Neste domingo, os organizadores contabilizavam mais de 50 mil pessoas por volta das 17h. A avenida Paulista contava com manifestantes por toda a extensão, com maior concentração na área do Masp, entre a praça do Ciclista e a avenida Brigadeiro Luis Antônio. Lindbergh diz que o povo não sairá da rua.

"A palavra é Diretas Já. Nós não vamos sair da rua enquanto o Temer não sair do Planalto", afirmou o senador. 

Outro político presente ao ato, Eduardo Suplicy (PT) discursou ao fim do ato, no Largo da Batata, e exigiu que o povo seja consultado sobre novas eleições.

"Temer disse que só uns poucos gatos-pingados estavam protestando. Dezenas de milhares desceram da Paulista até aqui. Ele quer pacificar o país, então a nossa sugestão é que convoque para 2 de outubro, na eleição para prefeito e vereador, uma consulta se o povo quer ou não que ele permaneça. Se a maioria do povo disser que não quer, que ele então convoque eleições livres e diretas", pediu o ex-senador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos