Manifestantes contrários à PEC 241 fazem ato na avenida Paulista

Do UOL, em São Paulo

  • Nelson Antoine/Estadão Conteúdo

    Manifestantes realizam ato contra Proposta de Emenda Constitucional 241 nesta terca

    Manifestantes realizam ato contra Proposta de Emenda Constitucional 241 nesta terca

Manifestantes protestaram na noite desta terça-feira (25) na avenida Paulista, região central de São Paulo, contra a PEC 241 (Proposta de Emenda Constitucional), que foi aprovada em segunda votação pelo plenário da Câmara em Brasília. Atos também aconteceram no Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Maceió. 

A PEC 241 estabelece um teto para o crescimento das despesas do governo federal. De um lado, a PEC é considerada necessária para reduzir a dívida pública do país e tirá-lo da crise fiscal. Do outro, é vista como muito rígida e criticada por ameaçar direitos sociais ao congelar os gastos de Saúde e Educação. Segundo o texto, o teto será válido por vinte anos a partir de 2017 e consiste no valor gasto no ano anterior corrigido pela inflação acumulada em 12 meses.

Em São Paulo, o protesto reuniu movimentos sociais, sindicatos e coletivos ligados à Frente Povo Sem Medo e à Frente Brasil Popular. Eles partiram do vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e seguiram em passeata até o escritório da Presidência da República, também na avenida Paulista. O trânsito chegou a ser bloqueado nos dois sentidos.

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Josué Rocha, criticou a PEC e disse que não houve debate suficiente com a sociedade antes do envio da proposta ao Congresso Nacional.

"Queremos ampliar o diálogo com a população e esclarecer, de fato, o que representa essa PEC. O [presidente da República] Temer, ao fazer essa aprovação a toque de caixa, quer pegar de surpresa a população. Como não é um projeto que traz um impacto imediato para a vida de todos, demora um tempo para que a gente consiga de fato fazer a discussão na sociedade e ampliar as mobilizações", disse.

"A PEC representa um grande retrocesso e é claro que, assim que a população perceber isso, vai sair às ruas, e a gente ainda tem chance de barrar", acrescentou.

Também participaram do ato na Paulista a Central dos Movimentos Populares (CMP), a União Juventude Socialista, o Coletivo Rua, a Unificação das Lutas de Cortiços e Moradia, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Arquibancada Ampla Geral e Irrestrita (Agir), entre outras entidades.

Durante o protesto, os manifestantes gritaram palavras de ordem como "Fora Temer", "Trabalhador, preste atenção, são 20 anos sem saúde e educação", "Para a PEC eu digo não, eu quero investimento em saúde e educação". O grupo ocupou aproximadamente um quarteirão da avenida Paulista e caminhou sobre quatro das oito faixas da via.

Manifestação no plenário da Câmara

André Dusek/Estadão Conteúdo
Estudantes fazem manifestação contrária à aprovação da PEC 241 nas galerias da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF)
Em Brasília, grupos de manifestantes acompanharam a votação da proposta no plenário da Câmara dos Deputados.

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tentou um acordo para que as manifestações não atrapalhassem a votação, mas, com poucos votos para aprovação do texto-base, os manifestantes aumentaram os gritos e Maia pediu a intervenção da polícia legislativa.

Mais cedo, parlamentários contrários à PEC protestaram no plenário da Câmara e entregaram a Maia caixas que simbolizam as mais de 320 mil assinaturas em uma petição online contrária à medida

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos