Mostrarei inocência, diz substituto da prefeita presa de Ribeirão Preto (SP)

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Calzzani/O Globo

    Duarte Nogueira foi eleito prefeito de Ribeirão no segundo turno com 39,86% dos votos

    Duarte Nogueira foi eleito prefeito de Ribeirão no segundo turno com 39,86% dos votos

Substituto da atual prefeita de Ribeirão Preto --cidade a 315 quilômetros da capital paulista--, que foi presa pela PF (Polícia Federal), o deputado federal Duarte Nogueira (PSDB-SP) foi citado por Cláudio Melo Filho, ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, em sua delação à Operação Lava Jato.

Segundo o delator, o futuro prefeito de Ribeirão Preto --eleito com 39,86% no segundo turno-- teria recebido pagamentos para defender, em 2008, o processo licitatório de usinas na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados. Na campanha eleitoral de 2010, o valor repassado ao deputado foi de R$ 350 mil; na de 2014, foram R$ 300 mil, de acordo com Melo. O tucano é deputado federal desde 2007.

Em entrevista à rádio BandNews FM nesta segunda-feira (12), Nogueira disse que provará sua inocência. "Não fiz parte da comissão de Minas e Energia (na Câmara dos Deputados) e nunca tive uma conta rejeitada", defendeu-se. "Todo mundo que faz vida pública tem que estar preparado para prestar contas."

Até o fim de março, Duarte Nogueira era secretário de Logística e Transportes do governo paulista, comandado pelo tucano Geraldo Alckmin (PSDB), que também foi citado na Lava Jato. Nogueira estava à frente da pasta desde janeiro de 2015. Ele deixou o cargo em meio a denúncias que o envolviam na "máfia da merenda", que desviaria dinheiro em contratos de merenda escolar com o governo estadual e prefeituras paulistas.

Em janeiro, o ex-presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar) Cássio Izaque Chebabi citou Nogueira como beneficiário do esquema de propina. A Corregedoria-Geral da Administração do Governo de São Paulo, porém, inocentou o secretário de participação no esquema. Mas, em depoimento em outubro, Chebabi voltou a citar o nome do deputado, que pretende processá-lo por calúnia e difamação.

"Provei minha inocência [na questão da merenda] e mostrarei minha inocência [sobre citação na Lava Jato]", disse Nogueira à rádio, que lembrou que a questão da "máfia da merenda" foi um empecilho que teve de enfrentar durante a campanha eleitoral em Ribeirão Preto.

Atual administração

Sobre a prisão da atual prefeita, Dárcy Vera (PSD), o futuro prefeito preferiu não fazer comentários diretos. Nogueira optou por analisar os problemas que terá que administrar em sua gestão.

"A própria discussão durante o período eleitoral já mostrava o caos político, financeiro, moral que Ribeirão Preto está vivendo", apontou o deputado, que prevê que sua administração receberá R$ 2,4 bilhões em dívidas da gestão de Vera.

Para isso, ele espera contar com a colaboração dos vereadores da cidade. "Acho que a nova Câmara está ciente de que a responsabilidade tem que ser total entre os dois poderes. Nós vamos preparar um pacote de medidas que vão ter que tomar no primeiro dia de governo. Acho que a Cãmara vai ter a responsabilidade de discutir esses projetos", comentou na entrevista.

Dárcy Vera foi presa no último dia 2 de dezembro pela PF pela suspeita de ter recebido ao menos R$ 5 milhões em propina do esquema que desviou ao menos R$ 203 milhões dos cofres públicos.

Após prisão, Ribeirão Preto enfrenta crise no Executivo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos