Vestir-se de gari, plantar árvore: o que os novos prefeitos querem com isso?

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

  • Zanone Fraissat/Folhapress, Hanrrikson de Andrade/UOL e Divulgação/Prefeitura de Três Lagoas

    Agenda fora do gabinete: João Doria (PSDB) se vestiu de gari (à dir.); Marcelo Crivella (PRB) doou sangue; Ângelo Guerreiro (PSDB) plantou um jatobá (à esq.)

    Agenda fora do gabinete: João Doria (PSDB) se vestiu de gari (à dir.); Marcelo Crivella (PRB) doou sangue; Ângelo Guerreiro (PSDB) plantou um jatobá (à esq.)

Vestido de gari, João Doria (PSDB) começou o seu primeiro dia útil como prefeito da maior capital do país fora dos muros da prefeitura. Por volta das 5h50, ele já estava nas proximidades da praça 14 Bis, no centro de São Paulo, para participar das ações de seu programa de zeladoria urbana.

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), também começou o dia fora do gabinete. Ele foi ao Hemorio, no centro da capital fluminense, para doar sangue, acompanhado da família, de secretários e de assessores.

A primeira ação do novo mandato costuma ser marcante, carregada de simbolismo, não apenas nas grandes capitais.

Em Três Lagoas (MS), por exemplo, a primeira ação do prefeito, Ângelo Guerreiro (PSDB), logo às 6h30, foi plantar um jatobá no local em que uma árvore centenária da mesma espécie precisou ser cortada. A ação pretendia simbolizar "o nascimento" da nova gestão no município de 115 mil habitantes, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura.

O que eles querem?

Eles pretendem causar uma boa impressão, como um novo namorado que está sendo apresentado aos sogros Luiz Radfahrer, da ECA-USP.

"Apresentam uma versão melhorada de si mesmos, promovem ações que são bastante compartilháveis nas redes sociais, para que quem está fora da cidade, na praia, também fique sabendo o novo governo está fazendo", afirma o professor Luiz Radfahrer, da ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo). 

No Sul, o prefeito eleito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB), preferiu fazer jus ao ditado "Deus ajuda quem cedo madruga" e marcou reunião com os secretários para as 6h da manhã. Os prefeitos de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB), e de Curitiba, Rafael Greca (PMN), também madrugaram. Ambos chegaram antes das 8h nos seus respectivos gabinetes para reunião com seus secretários.

Já os servidores públicos de Belo Horizonte acordaram com a notícia de que a primeira ação da gestão de Alexandre Kalil (PHS) foi fechar mais de 2.800 cargos comissionados. A iniciativa foi publicada na primeira edição de 2017 do Diário Oficial.

O professor de marketing político da ESPM, Emmanuel Publio Dias, afirma que esses atos são exemplos típicos do que gera notícia na mídia. "Mas essas ações tendem a repercutir em no máximo até 30 dias. Na primeira chuva forte que a cidade tiver, o prefeito será cobrado por ações práticas e resultados. Ninguém vai lembrar se ele foi de ônibus para a posse ou se ele se vestiu de gari no primeiro dia", afirma.

Para Radfahrer, esse tipo de atitude é "perigosa porque é populista": "Cria a expectativa e causa desconfiança no eleitor. Se o namorado é perfeito demais no primeiro encontro, o pai tende a ficar mais desconfiado do que encantado", diz.

De pedido de casamento à luz de velas: veja posses de prefeitos

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos