Reforma política "não busca apagar passado, mas olhar para o futuro", dizem presidentes

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Kleyton Amorim/UOL

    O presidente Temer se encontra com os presidentes da Câmara, do Senado e do TSE

    O presidente Temer se encontra com os presidentes da Câmara, do Senado e do TSE

Após uma reunião no Palácio do Planalto nesta quarta (15), o presidente da República, Michel Temer (PMDB), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, afirmaram que "há amplo consenso sobre a necessidade e a urgência de reforma do sistema político-eleitoral brasileiro", mas que as mudanças não têm como objetivo "apagar o passado, mas olhar com resolução para o futuro".

A declaração está em nota divulgada após a reunião, realizada no dia seguinte ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedir ao STF (Supremo Tribunal Federal) a abertura de 83 inquéritos contra políticos com foro privilegiado citados nas delações da Odebrecht feitas no âmbito da Operação Lava Jato. Não há prazo para o STF abrir ou não os inquéritos. 

Pelo menos cinco ministros do governo Temer estão na lista, segundo o jornal Folha de S.Paulo. São eles: Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), Bruno Araújo (Cidades), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia e Comunicações) e Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores).

Ainda segundo o jornal, integram a relação Eunício Oliveira, Rodrigo Maia, além dos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Romero Jucá (PMDB-RR), Edison Lobão (PMDB-MA), José Serra (PSDB-SP) e Aécio Neves (PSDB-MG). O presidente Michel Temer não é alvo de pedido específico de inquérito. Dez governadores também seriam alvos.

A PGR incluiu os nomes dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) e dos ex-ministros Guido Mantega e Antonio Palocci nos pedidos de investigação. Como eles não têm foro no STF, a expectativa é que seus casos sejam remetidos a instâncias inferiores. A maioria dos políticos nega as acusações.

"Há algum tempo, nós estamos na Justiça Eleitoral extremamente preocupados com todo esse mau desenvolvimento do sistema político-eleitoral e temos discutido a necessidade de reformas", afirmou Gilmar Mendes, em entrevista a jornalistas após o encontro.

Debate no Congresso

Uma comissão na Câmara dos Deputados já discute a reforma política. Entre as mudanças que são analisadas, está a criação de uma nova fonte de financiamento para campanhas e também a possibilidade de anistia ao caixa dois

Líderes governistas e de oposição no Congresso articulam a apresentação de um projeto de lei com objetivo de blindar doações eleitorais –oficiais e por meio de caixa dois– e dificultar condenações na Lava Jato a partir de contribuições de campanha.

"Qualquer tema pode ser pautado, não tenho objeção a nenhum tema, contanto que ele seja feito com nome, sobrenome e endereço fixo", disse o presidente da Câmara após o encontro. Perguntado sobre a "Lista de Janot", disse que o inquérito vai provar sua inocência. "Vai dar toda condição para que eu mostre que o que está citado não é verdadeiro", afirmou.

Já o presidente do TSE disse que o sistema de escolha dos candidatos e de financiamento das eleições está entre os pontos discutidos. "Não adianta nada criar sistema público de financiamento, com o sistema que hoje temos de lista aberta" afirmou Gilmar Mendes.

No sistema de lista aberta, hoje vigente, o eleitor escolhe o candidato em que vai votar para a Câmara dos Deputados. No sistema de lista fechada, o eleitor vota apenas no partido, e são as legendas que indicam a lista com a ordem de preferência dos candidatos, que serão eleitos à medida que alcançarem os votos necessários.

Leia a íntegra da nota:

Há amplo consenso sobre a necessidade e a urgência de reforma do sistema político-eleitoral brasileiro. Essa realidade incita aos Poderes da República e a sociedade civil a se unirem para a efetivação das mudanças que levem a uma melhora expressiva na representação política nacional.

Alguns objetivos desses esforços devem ser desde já explicitados:

1. buscar a racionalização do sistema político;

2. redução dos custos das campanhas políticas;

3. fortalecimento institucional das legendas;

4. maior transparência e simplificação das regras eleitorais. 

Os debates nasceram por sugestão do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes. E cabe ao Congresso Nacional, democrática e livremente, examinar a oportunidade dessa discussão. Esse debate não busca apagar o passado, mas olhar com resolução para o futuro, construindo o sistema mais adequado aos tempos atuais e atendendo melhor aos desígnios de nossa democracia e às expectativas de nosso povo.

Michel Temer, Presidente da República

Rodrigo Maia, Presidente da Câmara dos Deputados

Eunício Oliveria, Presidente do Senado Federal

Gilmar Mendes, Presidente do TSE

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos