Operação Carne Fraca

Governo diz que inspeção de carnes é "rigorosa" e fala em "fatos pontuais"

Do UOL, em São Paulo

  • Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Condeúdo

    A ação da PF, considerada a maior da história da instituição, mobilizou 1100 agentes

    A ação da PF, considerada a maior da história da instituição, mobilizou 1100 agentes

Um dia após o escândalo deflagrado pela Operação Carne Fraca, realizada pela Polícia Federal e que desbaratou um esquema de venda ilegal de carne por frigoríficos, o Ministério da Agricultura emitiu uma nota neste sábado (18) em que afirma que o Serviço de Inspeção Federal "é considerado um dos mais eficientes e rigorosos do mundo". O governo classificou como "fatos pontuais" as irregularidades cometidas por fiscais envolvidos no escândalo, segundo as investigações.

A ação da Polícia Federal, a maior já realizada pela instituição em sua história, contou com aproximadamente 1.100 policiais federais que cumpriram 309 mandados judiciais, sendo 27 de prisão preventiva (com tempo indeterminado), 11 de prisão temporária (com prazo inicial de cinco dias).

Entre as empresas investigadas estão a JBS (maior processadora de carne bovina do mundo), a BRF Foods (oriunda da fusão da Sadia com a Perdigão) e a Seara. O Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo.

Segundo a investigação, uma das práticas dos fraudadores era reembalar produtos vencidos, usar cabeça de porco e até papelão na produção de embutidos.

O escândalo levou o presidente Michel Temer a convocar o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, para uma reunião no Palácio da Alvorada neste domingo (19) às 14h, para discutir os impactos da Operação Carne Fraca. Além disso, foi marcada uma reunião com embaixadores que representam os países que mais importam proteína animal do Brasil.

"Um dos mais eficientes e rigorosos do mundo"

A nota emitida pelo Ministério da Agricultura hoje afirma que Serviço de Inspeção Federal conta com 2.300 servidores e inspeciona 4.837 unidades produtoras habilitadas para exportação para 160 países. 

De acordo com o comunicado, "fatos pontuais" começaram a ser investigados após a denúncia de um servidor da área de fiscalização do ministério. "Ao todo, 33 fiscais federais estão sob investigação e três plantas foram interditadas, enquanto outras 21 estão sob fiscalização especial."

Para o ministério, "a investigação da Polícia Federal e a pronta reação das nossas autoridades do Ministério da Agricultura é a maior prova de que nosso sistema de proteção e fiscalização está alerta e funcionando plenamente e servem como garantia ao consumidor da qualidade dos produtos de origem agropecuária de nosso país."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos