Em delação, Mônica Moura estima ter pagado R$ 90 mil a cabeleireiros de Dilma

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Adriano Vizoni/Folhapress

    16.out.2014 - Celso Kamura, um dos cabeleireiros da presidente Dilma Rousseff, ajeita o cabelo da candidata à reeleição pelo PT durante debate no SBT

    16.out.2014 - Celso Kamura, um dos cabeleireiros da presidente Dilma Rousseff, ajeita o cabelo da candidata à reeleição pelo PT durante debate no SBT

Em seu acordo de colaboração premiada, Mônica Moura, mulher do publicitário João Santana, afirmou ter pagado despesas da então presidente Dilma Rousseff (PT), como gastos pessoais de cabeleireiro. Os serviços custaram no total cerca de R$ 90 mil e foram pagos entre 2010 e 2014, mesmo fora de períodos de campanha eleitoral, segundo afirma Mônica em sua delação. Em nota, a ex-presidente afirma que o casal mentiu nos depoimentos.

Mônica Moura e João Santana trabalharam em diversas campanhas do PT, como a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006, e a eleição e reeleição de Dilma, em 2010 e 2014, e foram presos em fevereiro de 2016, na 23ª fase da Operação Lava Jato, suspeitos de receber pagamentos com origem em dinheiro desviado da Petrobras.

Em março deste ano, o casal firmou acordo com a PGR (Procuradoria-Geral da República) e, um mês depois, a delação de ambos foi homologada pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal). Já nesta quinta-feira (11), o magistrado decidiu retirar o sigilo dos depoimentos. André Santana, que trabalhava com Mônica Moura, também firmou acordo de colaboração.

Segundo o relatado por Mônica no acordo, em 2010 um assessor de Dilma pediu que fosse pago o valor de R$ 4 mil por mês, durante um ano, para uma cabeleireira particular que cuidava do cabelo e da maquiagem da presidente. Os pagamentos foram feitos em dinheiro à própria cabeleireira, somando um total estimado de R$ 40 mil, segundo é dito na delação.

Após a campanha eleitoral de 2010, Mônica diz que este mesmo assessor pediu que também fossem pagas as despesas com o cabeleireiro Celso Kamura, que costumava ser contratado pela presidente para eventos importantes.

Mônica disse estimar em R$ 50 mil o total gasto com Kamura, que teve os serviços contratados diversas vezes por Dilma entre 2010 e 2014. Cada diária custava cerca de R$ 1.500, segundo o relato.

O pagamento dos serviços pessoais a Dilma é justificado por Mônica em sua delação por se tratar de uma "cliente importante" do casal, que já havia trabalhado na campanha de 2010 e cogitava a perspectiva de atuar também na disputa da reeleição, em 2014, como acabou acontecendo.

O relato não levanta suspeitas contra os cabeleireiros, mas pode indicar o recebimento de vantagens indevidas por parte da ex-presidente Dilma.

Outro lado

Em nota oficial divulgada por sua assessoria de imprensa no final da tarde desta quinta-feira, a ex-presidente Dilma Rousseff afirma que João Santana e Monica Moura "prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade em seus depoimentos, provavelmente pressionados pelas ameaças dos investigadores".
 
A petista reclama ainda que o ministro Fachin só tenha derrubado o sigilo das delações do casal agora. Segundo a nota, a defesa de Dilma requisitou - sem sucesso - o fim do sigilo antes, para que pudesse incrementar as alegações finais da presidente na ação do TSE que julga se a chapa Dilma/Temer cometeu irregularidades na eleição de 2014.
 
"A defesa foi prejudicada pela negativa do relator. Não foi possível cotejar os depoimentos prestados pelo casal à Justiça Eleitoral e na Lava Jato", diz a nota.
 
A assessoria informou que não fará comentários específicos sobre a alegação de Mônica Moura de ter pagado serviços de cabeleireiro para a ex-presidente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos