Operação Lava Jato

"Corrupção é ambidestra, de esquerda e de direita", diz Leandro Karnal

Guilherme Azevedo

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    O historiador Leandro Karnal

    O historiador Leandro Karnal

O historiador e professor Leandro Karnal disse ao UOL nesta quinta-feira (18) que as denúncias envolvendo o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) são prova de que o sistema de corrupção no Brasil é "mais amplo do que um partido ou uma pessoa".

Temer e Aécio foram gravados por Joesley Batista, um dos dirigentes da J&F, dona do frigorífico JBS, como parte do acordo de colaboração com a Justiça. Na gravação com Aécio, o senador teria pedido R$ 2 milhões para custear sua defesa das acusações da Lava Jato.

Em outro trecho, Joesley inicia um diálogo sobre o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Após perguntar qual era a atual relação entre Temer e o ex-deputado, o empresário diz que zerou "tudo o que tinha de pendência" com Cunha. Mais para frente, no diálogo, Joesley afirmou: "eu tô bem com o Eduardo". Ao que Temer respondeu: "e tem que manter isso, viu".
 
Na quarta-feira (17), ao divulgar em primeira mão a delação de Joesley Batista, o jornal O Globo relatou que a resposta "tem que manter isso" seria a um aviso de Joesley de que estaria pagando uma mesada para manter o silêncio de Eduardo Cunha na cadeia. O diálogo, porém, tem trechos inaudíveis, tornando inconclusiva uma possível referência a um aval de Temer aos pagamentos mensais.
 
Em nota publicada ontem, Temer confirmou o encontro, mas disse que "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha" e negou ter participado ou autorizado "qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar".

"As pessoas tinham criado uma ficção [de que a corrupção fosse atributo exclusivo do PT e de políticos do partido, sob o comando do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva]. Mas o sistema de corrupção no Brasil é ambidestro, porque a esquerda e a direita estão roubando. Não tem um recorte, a corrupção é suprapartidária, os partidos só têm ambição de poder, não de Estado", analisa Karnal.

O historiador pontua que os únicos partidos que não estão citados na corrupção sistêmica apontada pela Lava Jato são aqueles que não exercem cargos no governo. "E, nesse caso, não se sabe se por ética ou por falta de oportunidade."

Opinião: Novas delações tornam Temer personagem de desenho animado

"Temer vai lutar"

  • 50804
  • true
  • http://noticias.uol.com.br/enquetes/2017/05/18/na-sua-opiniao-o-que-vai-acontecer-com-o-governo-temer.js

Especificamente sobre Temer, Karnal avalia que "o futuro ficou mais curto do que ele pensava, pois encontrou um obstáculo ainda maior". Os novos escândalos políticos que vieram à tona agora mostram, segundo o historiador, que Temer não tem o "mínimo de idoneidade" para o cargo que assumiu após o impeachment de Dilma Rousseff.

Mas o historiador acredita que o presidente "vai lutar com todas as armas" pelo mandato, com uma vantagem: "Temer tem mais respaldo de seu partido do que Dilma teve do seu", diz, referindo-se à relação por vezes conflituosa da presidente cassada com o PT.

Apesar de se dizer ainda otimista quanto ao futuro, Karnal vê a crise política muito antes do fim. "A corrupção é estrutural, não é tópica. Isso que está sendo trazido à tona é 'O Retrato de Dorian Gray' [referência ao romance de Oscar Wilde]. Essa sempre foi a cara da política brasileira", constata. "Ainda vamos aprofundar a crise para achar uma solução."

O risco maior, identifica o historiador, é o de as pessoas se desencantarem e perderem a crença no Estado Democrático de Direito, embarcando em aventuras autoritárias. "Mas isso [as revelações de corrupção] só está acontecendo porque se vive uma democracia, é só o Estado de Direito que permite isso, a liberdade de imprensa e a autonomia do Judiciário", garante.

Defesa da democracia

Ele lembra que grandes escândalos de corrupção do passado, como os da ditadura militar (1964-85), só não foram até o fim exatamente por falta de liberdade, de instituições livres.

"Hoje temos condições de botar o dedo na ferida. A chance de começar uma República de fato. Estamos limpando um terreno, lancetando um furúnculo, e o que não vai sair dele é água de rosas."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos