Operação Lava Jato

Executivo da JBS diz que governador do RS recebeu doação da propina de Aécio

Flávio Ilha

Colaboração para o UOL em Porto Alegre

  • Itamar Aguiar/Estadão Conteúdo

    José Ivo Sartori (PMDB) e Aécio Neves (PSDB), em ato da campanha de 2014

    José Ivo Sartori (PMDB) e Aécio Neves (PSDB), em ato da campanha de 2014

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), foi citado pelo executivo da JBS Ricardo Saud como beneficiário de uma "doação oficial dissimulada" de R$ 1,5 milhão na campanha eleitoral de 2014. O dinheiro teria sido desviado, segundo o depoimento de Saud à Procuradoria Geral da República, da propina paga ao senador tucano Aécio Neves.

No depoimento, o executivo conta que o pedido de doação "dissimulada" foi feito pelo próprio senador --o PMDB gaúcho apoiou a eleição de Aécio Neves na disputa presidencial de 2014. "Lá o Ivo Sartori era dissidente, porque o PT tinha candidato lá. Aí Aécio deu R$ 1,5 milhão desse dinheiro, dessa propina, pro Sartori", diz Saud em um vídeo divulgado pela PGR.

Saud não detalha o que é "doação dissimulada" e nem informou de que valores o senador Aécio Neves retirou a parcela transferida para a candidatura do peemedebista. Durante a campanha, Aécio foi recebido pelo menos quatro vezes em comícios do PMDB no Rio Grande do Sul.

Nas contas de campanha de Sartori, a JBS aparece como doadora de R$ 164 mil em quatro depósitos no dia 5 de outubro. Nos dias 17 e 24 de outubro, há mais dois depósitos respectivamente de R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão. Foram as maiores doações individuais da campanha, justamente no fim do processo eleitoral.

Aécio Neves foi afastado do Senado; delator agiu a mando da PF para produz provas

Por meio de suas redes sociais, o governador justificou que os recursos foram doados "com recibo e dentro da legalidade" e que nunca participou "desse mar de lama". "Minha honra é meu maior patrimônio. Não me misturem com essa gente", escreveu.

O tesoureiro da campanha de Sartori, João Carlos Bona Garcia, também justificou que as transferências foram feitas "dentro da legislação vigente, através de transferência eletrônica, saindo diretamente da conta da empresa para a conta da candidatura". Segundo ele, "a origem dos valores foi dada como legal".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos