PUBLICIDADE
Topo

Política

Prefeito de Sorocaba, no interior de SP, tem o mandato cassado

José Crespo e Jaqueline Barcelos Coutinho, em foto de arquivo - Divulgação/Prefeitura de Sorocaba
José Crespo e Jaqueline Barcelos Coutinho, em foto de arquivo Imagem: Divulgação/Prefeitura de Sorocaba

Por Marcelo Macaus

Colaboração para o UOL, de Sorocaba (SP)

24/08/2017 23h42

Após quase dez horas de sessão extraordinária, a Câmara de Sorocaba, no interior de São Paulo, cassou o mandato do prefeito José Crespo (DEM) na noite desta quinta-feira (24). A decisão é inédita na história da cidade, localizada a cerca de 90 quilômetros da capital paulista.

Quatorze vereadores – de um total de 20 – votaram a favor do relatório da Comissão Processante que investigou e considerou procedente a denúncia apresentada pelo eleitor Helder Abud Paranhos. Ele acusava José Crespo de quebra de decoro e prevaricação.

A polêmica começou em 23 de maio, data em que o prefeito teria agredido sua vice, Jaqueline Barcelos Coutinho (PTB), e o secretário de Gabinete Central, Hudson Moreno Zuliani, dentro de seu gabinete, no sexto andar do Palácio dos Tropeiros.

Crespo teria perdido o controle ao ser informado por Jaqueline que uma funcionária de seu gabinete, Tatiane Regina Polis, não possuía ensino fundamental completo e, mesmo assim, ocupava cargo cujo salário é de R$ 9.196,66 e para o qual é exigido o ensino superior.

Na ocasião, Jaqueline, que é delegada de polícia, disse que, com medo de prevaricar (faltar ao cumprimento do dever), resolveu avisar o prefeito sobre a suspeita de falsificação de diploma da servidora, que atua na pasta de chefia do Executivo. Presente na reunião, o secretário Hudson Moreno Zuliani deu razão à vice-prefeita.

Em determinado momento do encontro, no entanto, Crespo teria se exaltado e partido para cima do assessor, com quem trabalhava há mais de 15 anos. Jaqueline tentou intervir e acabou envolvida. 

Conforme Jaqueline, o prefeito teria determinado que as investigações contra a referida assessora parassem por ali e chamado um guarda civil municipal para retirar o secretário e ela de seu gabinete. 

Também à época, por meio de nota, a Secretaria de Comunicação da prefeitura informou que os três, após conversa, teriam se entendido e que o assunto estava encerrado.

A partir das acusações, no entanto, a Comissão Processante foi formada e apurou a denúncia do uso de um diploma falso pela servidora, dando sequência ao processo.

Ainda na noite desta quinta-feira (24), Jaqueline foi empossada prefeita de Sorocaba pelo presidente da Câmara, Rodrigo Manga (DEM).

Por meio de nota, Crespo repudiou a decisão da Câmara e disse que vai recorrer. O ex-prefeito considerou a decisão de cassação com um “espetáculo de ilegalidade” que envergonhou o meio jurídico.

Nas eleições do ano passado, José Crespo – que já foi deputado estadual e vereador - recebeu 182.833 votos, o correspondente a 58,48% dos votos válidos, derrotando o candidato do PSol, Raul Marcelo.

Política