Fachin concede prisão domiciliar a homem preso por digitais nos R$ 51 mi de Geddel

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Reprodução/Facebook

    08.set.2017 -- O ex-ministro Geddel Vieira Lima e o advogado Gustavo Ferraz, durante festa de Iemanjá em Salvador, em fevereiro de 2014

    08.set.2017 -- O ex-ministro Geddel Vieira Lima e o advogado Gustavo Ferraz, durante festa de Iemanjá em Salvador, em fevereiro de 2014

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin determinou que o ex-diretor geral da Defesa Civil de Salvador Gustavo Ferraz deixe a prisão da Papuda e passe para prisão domiciliar com o uso de tornozeleira eletrônica.

Ferraz foi preso em setembro na operação que descobriu R$ 51 milhões em notas escondidas em caixas e malas num apartamento ligado ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), que também foi preso. A Polícia Federal encontrou impressões digitais de Ferraz num dos sacos plásticos que envolviam os maços de dinheiro.

Para a soltura de Ferraz, Fachin estabeleceu o pagamento de fiança no valor de cem salários mínimos (que é de R$ 937), a proibição de ocupar funções públicas, utilizar telefone ou internet e de entrar em contato com outros investigados.

A defesa de Ferraz teve outros pedidos de liberdade negados pelo TRF (Tribunal Regional Federal) e pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Geddel é investigado pelo suposto recebimento de propina por parte de empresários em troca de facilitação ou liberação de créditos da Caixa Econômica Federal, banco no qual ele foi vice-presidente de Pessoa Jurídica durante parte do primeiro governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Segundo o empresário e delator Lúcio Funaro, Geddel teria recebido ao menos R$ 20 milhões em propinas. Funaro disse que o ex-ministro recebia dinheiro em malas entregues pessoalmente por ele.

O ex-ministro chegou a ser preso uma primeira vez sob suspeita de pressionar a família do corretor de valores Lúcio Funaro para que ele não fechasse um acordo de delação premiada. Geddel responde a processo por essa acusação na Justiça Federal de Brasília. 

Na decisão, Fachin também determinou a manutenção da prisão preventiva (sem prazo e antes de condenação) de Geddel.

A reportagem ligou e enviou mensagem de texto ao advogado do ex-ministro, mas não obteve resposta.

O advogado de Ferraz, Pedro Machado de Almeida Castro, afirmou que a inocência de seu cliente será comprovada e que ele está à disposição da Justiça para esclarecimentos.

"A decisão do ministro Fachin é o primeiro passo para a comprovação de inocência de Gustavo Ferraz", disse. "Além disso, [Ferraz] está à disposição da Justiça e autoridades para esclarecimentos, não oferecendo risco ao processo ou à sociedade, e está tranquilo quanto à sua inocência sobre os fatos investigados", afirmou Castro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos