Sob pressão por reforma, Temer diz que não há "desintegração" no ministério

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

O presidente da República, Michel Temer (PMDB) declarou nesta segunda-feira (13) que há "unidade absoluta" no governo, apesar de toda a pressão de partidos, especialmente do chamado "centrão", pela aprovação da reforma ministerial.

Em discurso durante evento no Rio de Janeiro, ao lado de seis ministros e das autoridades locais, Temer afirmou que "não há uma desintegração sequer" no ministério. Disse ainda que o lema do governo é o "diálogo" e que "o Brasil quer paz". "Diálogo é o termo que dirige o meu governo. Diálogo com o Congresso Nacional, diálogo com a sociedade, e que nos permitiu em primeiro lugar superar uma recessão extraordinária e chegarmos hoje com abertura de empregos, inflação baixa, juros menores", disse o peemedebista.

"Não há uma desintegração sequer no nosso ministério. Há uma unidade absoluta. E uma unidade, volto a dizer, da União com os Estados brasileiros. Precisamente pelo diálogo muito perto que nós mantemos com a bancada federal", declarou, referindo-se aos deputados federais do Rio. "Há uma integração e cooperação absolutas na concepção de que o Brasil é uma unidade. E o Brasil quer paz", concluiu.
 
O chefe do Executivo nacional visitou a capital fluminense para assinar uma medida provisória que destina cerca de R$ 157 milhões para ações que busquem afastar crianças e adolescentes da violência. Os recursos compõem o "Programa Emergencial de Ações Sociais para o Rio de Janeiro".

A expectativa, de acordo com a União, é atender 50 mil crianças e adolescentes de 6 a 17 anos das áreas do Complexo do Lins, do Complexo do Chapadão/Pedreira, na zona norte, da Cidade de Deus e da Vila Kennedy, na zona oeste, da Rocinha, na zona sul, além de comunidades da Baixada Fluminense e de São Gonçalo (região metropolitana do Estado).

"Eu sempre procuro encontrar uma palavra-chave para a solenidade de que participo. E acho que a palavra-chave aqui é integração", disse Temer.  "Quando nós percebemos que todos os setores estão reunificados, que todos os setores estão trabalhando juntos, nós podemos dizer sempre, como está acontecendo hoje, que o Brasil tem jeito e cada vez mais futuro."

Em seu discurso, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), fez diversos agradecimentos, sobretudo a Temer, a quem chamou de "amigo extraordinário do Rio". "O senhor tem sido um grande parceiro do Rio. (...) se não fosse o senhor, nós não teríamos chegado até aqui", disse ele, citando ainda alguns números do governo federal, em tom de elogio.

Centrão quer mais espaço no governo

A pressão sobre Temer é feita principalmente pelos parlamentares do grupo conhecido como "centrão", que abrange deputados federais de siglas menores e que ajudaram a arquivar na Câmara a denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o presidente.

Além disso, aliados cobram do Planalto espaço que hoje é ocupado pelo PSDB. Os tucanos estão divididos entre uma ala que apoia o governo e outra que defende o desembarque imediato. O racha afeta a disputa interna pela presidência do partido, e levou o senador Aécio Neves (MG) a destituir do cargo o provável candidato Tasso Jereissati (CE).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos