PUBLICIDADE
Topo

Política

Antes de ser detido, Garotinho celebrou prisão de rivais: "festa na porta do presídio"

O ex-governador Anthony Garotinho (PR) foi preso pela Polícia Federal nesta quarta-feira - Jose Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
O ex-governador Anthony Garotinho (PR) foi preso pela Polícia Federal nesta quarta-feira Imagem: Jose Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, no Rio

22/11/2017 12h45

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho (PR) comemorou a prisão na última quinta-feira (16) dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. “Denúncias da Cadeia Velha: vergonha, vergonha, vergonha!!! Ainda vai aparecer muita sujeira por aí”, afirmou Garotinho pelo Twitter dois dias antes de ser detido, nesta quarta-feira (22). Os peemedebistas são suspeitos de beneficiar empresários na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) em troca de mesada, segundo a Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato no Rio.

Os ex-governadores do Rio Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho (ambos do PR) foram presos pela PF (Polícia Federal) na manhã de hoje por suspeita de financiamento ilegal de campanha e cobrança de propina.

Garotinho lembrou ainda o aniversário de um ano da prisão de Sérgio Cabral (PMDB). “A festa está armada na porta do presídio”, afirmou. Ele citou o que chamou de "pecadinhos do dia a dia" cometidos pelos políticos.

Picciani, Melo e Albertassi, assim como Cabral, são suspeitos de favorecer interesses de empresários no Estado, entre os quais representantes do setor de transporte público e empreiteiras, em troca de propina.

Com a chegada dos três parlamentares, Benfica passa a reunir parte da cúpula do PMDB no Estado --Albertassi é líder do governo de Luiz Fernando Pezão (PMDB) na Alerj e Melo presidiu a Casa no curto período em que Picciani esteve longe do cargo. Além do ex-governador, a cadeia abriga ainda o ex-secretário de Saúde fluminense Sérgio Côrtes. Todos estão presos preventivamente.  A PF informou, por volta das 16h, que Garotinho ficará detido também em Benfica.

Restam como lideranças do partido no Rio o ex-vice de Cabral e atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), fragilizado pela crise no Estado, e o ex-prefeito Eduardo Paes, ambos já citados por delatores em processos da Lava Jato.

A Operação Cadeia Velha apura o uso da presidência e outros postos da Alerj para a prática de corrupção, associação criminosa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Picciani, Albertassi e Melo negam todas as acusações.

Política