PUBLICIDADE
Topo

Política

Presidência prevê até R$ 308 mil para arranjos de flores nobres

Flores decoram mesa onde Temer discursou na abertura do Fórum Mundial da Água - Beto Barata/PR
Flores decoram mesa onde Temer discursou na abertura do Fórum Mundial da Água Imagem: Beto Barata/PR

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

21/03/2018 04h00Atualizada em 21/03/2018 12h39

A Presidência da República lançou edital que prevê gastos de até R$ 308.495 para o fornecimento e a manutenção de arranjos de flores nobres, tropicais, de campo e de Natal. A produção pela empresa vencedora será sob demanda e ocorrerá ao longo de 2018.

A licitação aconteceu nesta segunda-feira (19) e o melhor lance, até a última atualização desta reportagem, havia sido de R$ 193.661, segundo o portal de compras do governo federal. Vence quem oferecer o menor preço ao final do processo. O montante não prevê gastos com a jardinagem diária dos palácios da Presidência.

De acordo com o edital, os arranjos vão ser utilizados como decoração em eventos com a presença do presidente Michel Temer (MDB), de ministros de Estados e autoridades estrangeiras; no gabinete pessoal da Presidência no Palácio do Planalto e de outros escritórios regionais; e nas residências oficiais, como os palácios da Alvorada e do Jaburu, onde mora Temer com a família.

Entre as exigências feitas estão a de utilizar somente “flores nobres de 1ª qualidade”, como calla, narciso, jacinto, calandiva, hortênsia, jasmim, rosa, copo de leite, lírio, gérbera, lisianto, íris, tulipa, girassol, estrelícia, antúrio vermelho e verde, astromélia, boca de leão, gipsófila, gladíolo, cravo e orquídea, especifica o edital.

A apresentação das flores varia de buquês, cachepôs a arranjos de mesa de até 1,50 metro de comprimento para mesa de 20 lugares. Os valores por unidade vão de R$ 12 a R$ 580, dependendo do tamanho e dos pré-requisitos.

O maior custo por tipo de decoração será destinado a arranjos de orquídea phalaenopsis: R$ 56,4 mil para 120 unidades. Cada arranjo sai por R$ 470. Ele deverá ter no mínimo cinco orquídeas, floração nova que dure 20 dias, de 40 a 50 centímetros de altura e flores com 4 centímetros de diâmetro em cores variadas. O acabamento deverá ser artístico com casca de madeira, musgo, mini samambaias e mini folhagens verdes.

Em um dos itens do edital, a descrição é “buquê para homenagens com aproximadamente 50 cm de diâmetro, contendo flores nobres de 1ª qualidade, tipo: calla, narciso, jacinto, hortênsia, jasmim, rosa, copo de leite, lírio, gérbera, lisianto, íris, tulipa, girassol, estrelícia, antúrio vermelho e verde, astromélia, boca de leão, gipsófila, gladíolo (palma), cravo, orquídea e tropicais de 1ª qualidade, tipo: azaleia, alpínia, mini abacaxi, bastão do imperador, entre outras, com apresentação artística”.

Outro item pede arranjo de “pequenas plantas verdes, tais como: suculenta, samambaia, cactos sem espinho, pimenteira, mini bromélia, tostão, melindre, petúnia, barba de serpente, begônia, vinca pendente, jiboia, couve ornamental, repolho roxo ornamental e outras, floridas ou não, para centros de mesa, medindo 40cm de diâmetro por até 30cm de altura, plantadas de forma artística”.

A empresa vencedora também ficará responsável por produzir e entregar coroas de flores em casos de falecimentos de autoridades em que a Presidência queira prestar a homenagem. As coroas fúnebres deverão ter tamanho grande (2 metros x 1,5 metro) com no mínimo 200 flores dos tipos citados. O custo estimado por unidade é de R$ 740 para entrega no Distrito Federal e de R$ 890 em outras unidades federativas.

Árvores e decorações natalinas

Além dos produtos citados, o pregão já prevê árvores de Natal e arranjos para as festividades de final de ano. Já com os enfeites, cada uma das três sairá por R$ 1,9 mil. Elas deverão ter 2 metros de altura por 1,30 metro de base e serem naturais. O Planalto deixa claro que deverão ser decoradas com objetos típicos de Natal, como “bolas coloridas de fibra de vidro, anjos, papai noel, lâmpadas coloridas, laços diversos em tecidos lisos e bordados, guirlandas, gnomos e velas”.

Demais arranjos para a época incluem plantas parecidas com pinheiros, como tuia (holandesa, europa, prata e jacaré), cupressus, buxinho e hedera, adornadas com enfeites semelhantes aos das árvores de Natal.

Nesta quarta (21), após a publicação da reportagem, a Secretaria-Geral da Presidência informou que o último pregão foi realizado em 30 de junho de 2017, com contrato no valor de R$ 284.011,44.  No entanto, o saldo utilizado foi de R$ 26.161,25 – menos de 10% do previsto. De acordo com a pasta, a Presidência cumpre normas estabelecidas internacionalmente.

Ainda segundo o governo, em 2017 não foram adquiridas árvores de Natal, tendo sido comprado apenas um arranjo natalino, com enfeites. Estes foram acondicionados em depósito para reutilização, informou.

Política