PUBLICIDADE
Topo

Política

Temer exalta Marielle, diz que investigações avançam e defende igualdade de gênero

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

20/04/2018 12h22Atualizada em 20/04/2018 13h15

Em evento no Itamaraty nesta sexta-feira (20), o presidente Michel Temer (MDB) exaltou a vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) – assassinada no Rio de Janeiro em 14 de março junto ao motorista Anderson Gomes –, disse que as investigações sobre o crime avançam e defendeu a igualdade de gênero.

Ele participou de cerimônia de formatura do curso de formação de diplomatas do Instituto Rio Branco e de imposição de insígnias da Ordem de Rio Branco no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília. Em 20 de abril, comemora-se o Dia do Diplomata.

A turma do Instituto Rio Branco que se formou nesta quinta escolheu como patrona a vereadora Marielle Franco. As investigações sobre o crime estão em andamento e não há prazo para que sejam concluídas. Os pais de Marielle estiveram presentes à solenidade.

Temer começou o discurso agradecendo a presença dos pais da vereadora e afirmou que a homenagem toca a todos. Ele chamou o assassinato de “inaceitável e covarde”, mas ressaltou que os assassinos não conseguiram nem conseguirão matar o que ela representa.

“Marielle era mulher batalhadora que lutava por aquilo que acreditava ser o melhor para o brasileiro e para o próprio Brasil. As investigações sobre o crime avançam com método e critério. As autoridades competentes trabalham para que os responsáveis sejam identificados e levados à Justiça”, declarou, sem dar maiores detalhes.

Mais de um mês depois do crime, ainda não foram descobertos os autores do assassinato.

Embora com apenas uma mulher em seu ministério – a advogada-geral da União, Grace Mendonça –, Temer defendeu a igualdade de gênero no serviço público brasileiro e na sociedade. Ele lembrou a trajetória do jurista, diplomata e jornalista Ruy Barbosa em conseguir na Justiça que a primeira mulher fosse admitida no corpo diplomático e mudanças constitucionais em favor de equiparações.

“Muitas vezes reexamino a Constituição e verifico que no histórico constitucional a regra da igualdade é uma regra que dizia todos são iguais perante a lei. Pois bem, quando chegamos na Constituinte de 88 nós mudamos esta dicção constitucional para dizer que homens e mulheres são iguais em direitos e deveres”, disse.

A paraninfa da turma é a embaixadora Thereza Maria Quintella, ex-diretora do instituto e ex-embaixadora do Brasil em Viena e em Moscou, primeira mulher formada pela instituição a ocupar os cargos.

Na fala, Temer citou mais duas homenageadas e disse que isso mostra como a turma de formandos tem uma “concepção social extraordinária”. Ele aproveitou a ocasião ainda para lembrar de ter criado a delegacia da mulher enquanto secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo.

Política