Minha filha não consegue dormir, diz delegado que quebrou equipamento de acampamento pró-Lula

Carlos Ohara

Colaboração para o UOL, em Curitiba

  • Arquivo Pessoal

    O delegado da Polícia Federal Gastão Schefer Neto, 45

    O delegado da Polícia Federal Gastão Schefer Neto, 45

O delegado da Polícia Federal Gastão Schefer Neto, 45, que quebrou, na manhã desta sexta-feira (4), o equipamento de som usado por petistas no acampamento em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, disse que foi até o local porque estava irritado com o barulho.

"Fui lá como pai e cidadão. Minha filha de apenas 45 dias já não consegue dormir com toda essa barulheira", disse Schefer em entrevista por telefone.

Segundo relato de petistas, que gravaram imagens do delegado, ele invadiu o acampamento e quebrou o equipamento de som no momento em que se preparavam para o grito de "bom dia, Lula", que repetem todas as manhãs.

Schefer afirmou que empurrou o equipamento enquanto discutia com apoiadores do ex-presidente e que não estava armado.

"Empurrei o equipamento que caiu, mas estava funcionando, mesmo após a queda. Toda a polêmica é porque sou servidor público federal. O Lula está condenado a 12 anos [e um mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro]. Eles vão ficar todo esse tempo no acampamento? Quem vai aguentar? É cheiro de álcool, lixo sem recolher e algazarra o tempo todo e ninguém consegue resolver isso", afirmou.

Divulgação/Assessoria de Imprensa
4.mai.2018 - Equipamento de som de acampamento foi quebrado por delegado

Lula cumpre a pena na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba desde o dia 7 de abril. O prédio fica no bairro Santa Cândida, onde foi montado acampamento.

Na semana passada, tiros foram disparados contra o acampamento, deixando duas pessoas feridas. Até agora, a polícia não identificou o autor dos disparos.

Câmeras registram homem atirando contra acampamento

"Moro há 20 metros de onde montaram este acampamento e, assim como outros moradores, estou incomodado com tudo isso. É "Bom dia, Lula, "Boa tarde, Lula" e "Boa noite, Lula" e as palavras de ordem sem parar. Pago meus impostos e sou um cidadão. Temos direito ao descanso. Já houve confusões com outros moradores. Quem está cansado de tudo isso somos nós que moramos aqui e perdemos qualquer privacidade. Não tem nenhuma ligação com a Polícia Federal ou com cargo de delegado", disse.

Ameaças e agressões

O delegado da PF afirma ainda que vem sendo intimidado e ameaçado. "Quando venho para casa, eles ficam de olho. Disseram para a diarista que trabalha em casa para me avisar que eles sabiam que havia um delegado da PF que morava aqui", afirmou.

Assim como os manifestantes que integram o acampamento, Schefer também registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil por agressão.

"Saí de casa, irritado com a perturbação do sono de minha filha, que passou boa parte da noite sem dormir. Empurrei o equipamento e de imediato, eles se juntaram e me deram um 'mata-leão'. Quase desmaiei. Fui chutado pelas costas e recebi socos no rosto, até a chegada de policiais militares".

"Foi um ato de revolta de um pai de família"

Suplente de deputado federal no Paraná pelo Partido da República (PR), Neto diz que não será candidato nas eleições deste ano e que sua atitude não teve motivação política. "Foi um ato de revolta de um pai de família".

Defensor da revogação do Estatuto do Desarmamento, o delegado assume uma simpatia pela pré-candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) à presidência, por "alinhamento de ideias". Sobre Lula, diz que é um "sentenciado, cumprindo sua pena".

Em nota, o movimento "Lula livre" cobrou providências da Polícia Federal e afirmou que o delegado "aproximou-se aos berros da esquina democrática Olga Benário, ameaçando a todos e todas que ali estavam… depois de continuar tentando intimidar os militantes, registrando seus rostos com um telefone celular".

A PF informou que o ataque aconteceu fora da superintendência e que não tem a ver com o cargo do delegado, por isso, não vai investigar o caso.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná informou que dois boletins de ocorrência foram registrados sobre o caso no 4º Distrito Policial de Curitiba. Segundo a assessoria, testemunhas serão ouvidas e imagens de câmeras de segurança serão solicitadas.

Acampamento divide moradores

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos