PUBLICIDADE
Topo

Política

Não acredito que juízes tomem decisões políticas, diz Cármen Lúcia

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

28/06/2018 09h55

Em um clima de ânimos acirrados no STF (Supremo Tribunal Federal) em função de decisões recentes, a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, disse nesta quinta-feira (28) não acreditar que os juízes brasileiros tomem decisões político-partidárias. Em entrevista à rádio CBN, ela, que também preside o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), apontou a legislação como base para fazer seu comentário. É o CNJ que analisa a conduta dos magistrados brasileiros.

“Até porque isso [juiz tomar decisões políticas], como eu disse, tanto na legislação como na lei orgânica da magistratura, é terminantemente proibido”, disse ao ser questionada sobre a percepção da sociedade de que estaria sendo feita política com toga.

“[Isso] seria considerar que um juiz brasileiro está tomando uma decisão contrária ao que é seu dever constitucional e à proibição da lei orgânica”, afirmou Cármen Lúcia.

A presidente ainda relativizou a divisão gerada no Supremo Tribunal Federal a partir da decisão que concedeu liberdade ao ex-ministro José Dirceu (PT) tomada pela Segunda Turma na última terça-feira (26).

Por maioria, os componentes da turma permitiram que Dirceu recorra em liberdade em processo da Operação Lava Jato mesmo tendo sido condenado pela segunda instância. A decisão vai contra a jurisprudência do STF.

Cármen refutou a tese de que a Segunda Turma teria ignorado o entendimento do STF sobre prisão após condenação em segunda instância. “Não, não acho que, de jeito nenhum, os juízes fariam nada que pudesse ser considerado como um contorno daquilo que é determinado pelo plenário”.

O fato é que a decisão gerou controvérsia já que o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é semelhante ao de Dirceu. Seu pedido por liberdade, porém, será avaliado pelo plenário, e não pela Segunda Turma. A situação tem gerado racha entre os ministros.

Segundo o blogueiro do UOL Josias de Souza, um ministro do STF que não compõe a Segunda Turma disse que um dos motivos que levaram o ministro Edson Fachin a levar o processo de Lula a julgamento pelo plenário do STF foi a probabilidade de um julgamento favorável ao petista. "O Fachin estava antevendo esse desastre", disse o ministro ao jornalista.

A presidente diz não acreditar que o Supremo esteja dividido e vê que os ministros têm uma relação de “urbanidade”. Cármen, porém, aponta que o tema sobre prisão após segunda instância não deverá ir a plenário novamente porque já foi analisado, além deste ano, em 2009 e 2016.

Fachin classifica decisão sobre Dirceu como normal

redetv

Política