Topo

Em evento com Temer, Exército dá medalha a Fachin, relator da Lava Jato no STF

Ministro Luiz Edson Fachin recebe medalha no Quartel-General do Exército - Fátima Meira/FuturaPress/Estadão Conteúdo
Ministro Luiz Edson Fachin recebe medalha no Quartel-General do Exército Imagem: Fátima Meira/FuturaPress/Estadão Conteúdo

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

24/08/2018 11h14

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin recebeu na manhã desta sexta-feira (24) a Medalha do Pacificador, honraria concedida pelo Exército brasileiro.

A cerimônia, realizada no Dia do Soldado, comemorado no dia 25 de agosto, teve a participação do presidente Michel Temer (MDB).

Fachin é relator dos inquéritos da Operação Lava Jato no Supremo. Um dos inquéritos tem como alvo Temer e os ministros Moreira Franco (Minas e Energia) e Eliseu Padilha (Casa Civil).

A investigação apura o pagamento de R$ 10 milhões pela Odebrecht ao MDB na campanha eleitoral de 2014. O inquérito foi aberto a partir de delações da Odebrecht.

Os delatores afirmam que o pagamento ao MDB foi acertado em jantar no Palácio do Jaburu naquele ano.

No dia 1º de agosto, Fachin autorizou a prorrogação do inquérito por mais 60 dias.

O presidente Michel Temer tem negado a prática de qualquer irregularidade, assim como os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha.

Além de Fachin, diversas autoridades contavam na lista de agraciados com a medalha, como deputados, senadores e ex-ministros.

Ao ministro do STF, Luís Roberto Barroso também foi concedida a medalha, mas ele não compareceu ao evento. O gabinete do ministro informou que ele estava em viagem.

Barroso é relator no STF de um outro inquérito no qual Temer é investigado por suspeitas de corrupção na edição de um decreto do setor portuário. A PGR (Procuradoria-Geral da República) investiga se Temer recebeu vantagens ilegais de empresas beneficiadas com a medida.

Temer também nega irregularidades nesse caso.

Política