Topo

Notícias

Bolsonaro: ministro da Educação atende a "princípios" da bancada evangélica

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, participa de uma cerimônia do aniversário de 73 anos da brigada da Infantaria de Paraquedista, no Rio Imagem: FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/11/2018 12h18

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse neste sábado (24) que a escolha do futuro ministro da Educação, o colombiano Ricardo Vélez Rodríguez, atende aos "princípios" e "valores" da bancada formada por deputados federais evangélicos.

"Essa pessoa indicada, pelo que eu sei, não é evangélica, mas atende aquilo que a bancada evangélica defende. São os princípios, valores familiares, respeito às crianças", declarou após participar na manhã de hoje de uma solenidade militar no Rio de Janeiro.

O futuro presidente, eleito com apoio de deputados evangélicos, declarou ainda que reconhece o “valor” do grupo parlamentar, que reúne cerca de 200 políticos.

Bolsonaro também disse não se incomodar com as críticas feitas a Rodríguez, que é professor de filosofia e crítico do que chamou em textos de sua autoria de “ideologia marxista”.

“Não vou perguntar para Cuba nem para Venezuela. Por isso que estou indicando essa pessoa”, afirmou.

“O que todos nós queremos? Que os nossos filhos sejam melhores do que nós. Escola é lugar de você aprender uma profissão e também ter noções de cidadania e patriotismo”, disse Bolsonaro.

“Se [ensino] plural é ensinar sexo para criancinha em sala de aula, meus parabéns ao meu futuro ministro”, afirmou o presidente eleito. 

Comando da Educação foi definido em meio a polêmica

O anúncio de Rodríguez para o ministério da Educação foi cercado de polêmica. Ele foi anunciado por Bolsonaro em uma postagem no Twitter a última quinta-feira (22).

No dia anterior, porém, fontes próximas ao presidente eleito haviam confirmado que o indicado para o ministério seria Mozart Neves Ramos, atualmente na direção do Instituto Ayrton Senna.

A indicação, porém, desagradou a bancada evangélica, que via em Mozart um nome alinhado à esquerda. Bolsonaro, usando novamente o Twitter, disse que o nome para o comando da Educação ainda não havia sido definido.

O presidente eleito se reuniu, então, com o procurador federal Guilherme Schelb, que passou a ser cotado para assumir a pasta, mas no final da noite anunciou seu escolhido para o cargo.

Rodríguez é professor associado aposentado da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora). Ele é formado em filosofia pela Universidade Pontifícia Javeriana e em teologia pelo Seminário Conciliar de Bogotá, ambos na Colômbia. Ele é mestre em filosofia pela PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e doutor, também em filosofia, pela Universidade Gama Filho.

Rodríguez é conhecido por seus posicionamentos a favor de propostas caras ao presidente eleito. Ele é um entusiasta do projeto de lei conhecido como Escola sem Partido.

Em um blog de sua autoria, ele classifica o projeto como uma “providência fundamental”.

Ele também é crítico do que classifica como “ideologia marxista”, que, segundo ele, tem entre suas “invenções deletérias” a “educação de gênero”.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!