PUBLICIDADE
Topo

Política

Criticado por Bolsonaro, futuro governador diz ter sido "mal interpretado"

Antonio Denarium (PSL), governador eleito de Roraima, com Jair Bolsonaro - Reprodução/Facebook
Antonio Denarium (PSL), governador eleito de Roraima, com Jair Bolsonaro Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, em São Paulo

25/11/2018 17h00Atualizada em 25/11/2018 18h37

O governador eleito de Roraima, Antonio Denarium (PSL), afirmou em nota que foi "mal interpretado" ao falar sobre a imigração desordenada de venezuelanos no estado, na entrevista concedida ao UOL na semana passada. 

Denarium havia dito que o fechamento da fronteira seria uma das opções cogitadas para lidar com o grande fluxo de pessoas e defendeu a criação de um programa de devolução de venezuelanos para o país vizinho. "Tem que ser feito um programa de devolução dos venezuelanos, uma ação do governo federal de reintroduzi-los na Venezuela", afirmou na entrevista. "Existem venezuelanos que acabam ficando muito tempo em Roraima, não conseguem emprego e alguns deles demonstram desejo de retornar para a Venezuela, só que eles não têm condições financeiras. E existe custo para [o governo] fazer isso: precisa de passagem, de ônibus, de alimentação."

"A gente tem que fazer um programa de retorno deles para a Venezuela também, para suas cidades de origem", afirmou o futuro governador, que é do mesmo partido do presidente eleito, Jair Bolsonaro.

No final de semana, Bolsonaro reagiu ao episódio, afirmando que "venezuelano não é mercadoria para ser devolvido".

Após a crítica, Denarium divulgou nota neste domingo (25), dizendo que, "em nenhum momento, defendi a 'devolução' dos venezuelanos ao seu país, como se tais cidadãos fossem meras mercadorias. Na minha fala, utilizei por duas vezes, o termo 'retorno', uma vez que esse é um desejo manifesto de vários irmãos oriundos desse país".

Segundo o governador eleito, os venezuelanos "falam com tristeza sobre a situação complicada em que se encontram em Roraima, muitas vezes morando nas ruas, sem apoio e sem dinheiro. E por isso, preferem retornar à Venezuela, mas sem recursos e apoio, não conseguem".

"Jamais quis passar a ideia de 'devolução'. Apenas, repito, fui mal interpretado. Temos que ajudar aqueles que desejam ficar no Brasil, mas também não podemos fechar os olhos para quem quer voltar para casa", declarou Denarium.

Na nota, o governador eleito afirmou que os abrigos existentes em Boa Vista e Pacaraima já não comportam mais a quantidade de imigrantes venezuelanos que chegam a Roraima. "Sem emprego e recursos, a situação deles só piora a cada dia. E por isso, muitos manifestam o desejo de retornar à sua pátria. E é exatamente a essas pessoas, que dirigi a minha fala, como forma de tentar ajudá-las."

Política