Topo

Moro anuncia delegado da PF para ser seu número 2 e general para secretaria

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

04/12/2018 13h44Atualizada em 04/12/2018 18h29

O futuro ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, anunciou nesta terça-feira (4) mais dois nomes que comporão sua equipe na pasta. Ele escolheu o delegado da Polícia Federal e atual secretário Nacional de Justiça, Luiz Pontel, para ocupar o cargo de secretário-executivo, considerado o posto número dois do ministério.

O general da reserva do Exército Guilherme Theophilo, candidato derrotado ao governo do Ceará pelo PSDB nas últimas eleições, foi escolhido para comandar a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública). Ao anunciar os nomes para a imprensa, Moro foro fez questão de dizer que ele já se desfiliou do partido. Portanto, defendeu, não houve indicação político-partidária.

Segundo Moro, Pontel atuou na investigação do caso Banestado (Banco do Estado do Paraná), esquema de corrupção com o envolvimento de políticos, doleiros e empresários, e foi responsável por uma das primeiras prisões do doleiro Alberto Youssef. Moro também atuou como juiz no caso à época.

“Naquela época já foi possível constatar a absoluta integridade do delegado Pontel. Sofreu pressões de várias espécies, inclusive tentaram retirar ele do posto, mas se manteve firme”, falou o futuro ministro da Justiça.

Sobre Theophilo, Moro afirmou que o general tem larga experiência de trabalhos relevantes no Exército e, “mais do que um homem de ação, embora também seja um homem de ação, queria um homem de gestão”.

Reprodução/Facebook
O general Theophilo (centro) disputou o governo do Ceará pelo PSDB Imagem: Reprodução/Facebook

“Fiquei bastante impressionado positivamente com o trabalho que vem sendo feito no Rio de Janeiro pelo general [e interventor] Braga Netto de reestruturação da segurança pública daquele estado e entendo que um trabalho similar, respeitado, evidentemente a autonomia dos estados e do Distrito Federal, é o objetivo na Senasp”, disse.

Moro falou que a tarefa de Theophilo na secretaria vai ser de ajudar a reestruturar procedimentos e promover padronizações do sistema de segurança pública nos estados.

Na disputa pelo governo do Ceará, Theophilo ficou em segundo lugar ao  obter 11% dos votos (488 mil) no primeiro turno e viu o petista Camilo Santana ser reeleito com quase 80%.

O PSDB no Ceará confirmou que Theophilo se desfiliou do partido em 19 de novembro deste ano após reunião da executiva estadual. Segundo a assessoria, ele alegou motivos pessoais, mas já afirmava pretensão de trabalhar no governo Bolsonaro ou com o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, também do PSDB.

Pela tarde, o presidente eleito disse que Moro tem autonomia para designar seus assessores. "Moro, como os outros, tem total liberdade para escolher seus primeiro, segundo, terceiro escalões. A escolha foi do Moro. Não discuto as qualidades profissionais do general Theophilo", declarou Bolsonaro.