Topo

Em posse, Witzel discursa contra corrupção e faz críticas a Pezão e Cabral

1º.jan.2019 - Governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) toma posse na Assembleia Legislativa do Rio - José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
1º.jan.2019 - Governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) toma posse na Assembleia Legislativa do Rio Imagem: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio

01/01/2019 11h25

O novo governador do Rio Wilson Witzel (PSC) criticou, em seu discurso de posse na manhã desta terça-feira (1°), a gestão do MDB --partido dos ex-governadores Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão, presos em decorrência da operação Lava Jato no Rio-- e disse que chegou o momento de "libertar o estado da irresponsabilidade e da corrupção que marcaram as últimas duas décadas da política estadual".

Em discurso de cerca de 20 minutos na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), o ex-juiz federal se comprometeu a trabalhar pela retomada do crescimento do estado, que viveu a pior crise econômica da história. Ele também destacou a instalação de um conselho de segurança para fortalecer o trabalho das polícias.

"Não permitirei a continuidade desse poder paralelo. Jurei defender o estado democrático de direito contra ameaças externas. Usarei todo conhecimento para combater o crime organizado. São narcoterroristas, e como terroristas serão tratados", discursou,

Witzel também mandou um recado para sua equipe de governo: "Não temos o direito de errar. Não vamos decepcionar o estado do Rio de Janeiro", definiu.

Após a cerimônia, que durou cerca de uma hora, o governador concedeu uma entrevista coletiva aos jornalistas e informou que nesta quarta-feira (2) ocorrerá uma reunião com os secretários para definir prioridades dos cem primeiros dias de governo. No entanto, Witzel antecipou que o problema orçamentário do estado (que possui um déficit de R$ 10  bilhões no orçamento) é uma das prioridades. 

"Vamos combater a sonegação, melhorar o desempenho da arrecadação. Você não pode falar em aumento de impostos se não estiver muito bem organizado para arrecadar de quem tem que pagar e não sobrecarregar quem já paga. Precisamos de uma justiça tributária", defendeu.

Witzel acompanha posse de Bolsonaro

A cerimônia de posse do governador eleito no Rio foi dividida em dois dias, a pedido de Witzel, que viajou a Brasília após o evento para acompanhar a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro(PSL), às 15h, no Congresso Nacional. 

A segunda etapa da transmissão do cargo pelas mãos de Francisco Dornelles (PP) ocorrerá na quarta (2) no Palácio Guanabara, onde serão empossados os secretários escolhidos por Witzel.

Dornelles representa Luiz Fernando Pezão, que segue preso em Niterói, na região metropolitana do Rio.

Convidados

Estiveram presentes na cerimônia de posse do governador o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB) e o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta. Eles compuseram a mesa na solenidade.

Indagado sobre as expectativas diante do governo Witzel, ao chegar à Alerj, Maia resumiu: "Transformar o Rio em um estado seguro, capaz de atrair empresas e gerar empregos".

Já Crivella disse que espera que o estado e o município possam renegociar juntos as dívidas com a União. 

"A expectativa é grande, de que eu e ele, juntos, possamos chegar ao Bolsonaro em Brasília e negociar as nossas dívidas. Isso é fundamental para o Rio de Janeiro", concluiu o prefeito.

Mais Política