Topo

Damares discutirá com Facebook automutilação e suicídio de jovens

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

2019-02-11T15:34:31

2019-02-11T15:34:31

11/02/2019 15h34Atualizada em 11/02/2019 15h34

Uma equipe do governo federal vai se reunir nesta tarde com diretores do Facebook no Brasil para discutir estratégias que visem a restringir a propagação de conteúdo que, supostamente, estaria induzindo jovens a cometerem suicídio ou automutilação. O encontro, confirmado pelo governo, vai acontecer em Brasília e foi convocado pelo MMFDH (Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos). A ministra Damares Alves vai participar da reunião. 

 O combate ao suicídio e automutilação juvenil é um dos temas mais mencionados pela ministra Damares Alves em suas entrevistas e deverá ser um dos carros-chefes da sua gestão. 

No encontro desta segunda-feira (11), o governo vai pedir que as responsáveis por redes sociais criem ou aprimorem mecanismos para diminuir ou impedir a propagação de vídeos e informações considerados nocivos e que, em tese, estimulariam jovens a cometerem suicídio ou a chamada automutilação. 

A ideia é que o governo saiba o que o Facebook e o Instagram (que foi comprado pelo Facebook) já estão fazendo em relação à propagação deste tipo de conteúdo e analisar que outras alternativas seriam possíveis. 

Em 2017, um jogo que ficou conhecido como "Desafio da Baleia Azul" foi apontado como uma das prováveis causas do suicídio de pelo menos dois jovens de 16 e 19 anos no Brasil. Parte do desafio, que era alimentado em grupos de WhatsApp e em comunidades no Facebook, consistia em fazer cortes no próprio corpo.

Em julho daquele ano, um homem chegou a ser preso pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por atuar como curador de um grupo que praticava o desafio. À época, a polícia disse que nem o Facebook e nem o Google aceitaram ajudar a investigação.

O encontro do governo com o Facebook é o primeiro de uma série de reuniões que Damares pretende ter com outras gigantes do setor de tecnologia e redes sociais. Além da empresa de Mark Zuckerberg, também foram convidados representantes do Google (que também controla o Youtube) e do Twitter. Os encontros com Google e Twitter ainda não foram confirmados.