Topo

Crítico do IBGE, Bolsonaro adota enquete no Facebook para embasar proposta

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

06/06/2019 20h31Atualizada em 08/06/2019 10h51

Ao mesmo tempo em que critica metodologias de instituições como IBGE, Ipea e Fiocruz, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) demonstra confiança em pesquisas internas e enquetes no Facebook para embasar ações governamentais.

Em abril, ele mencionou que havia um levantamento do Ministério de Minas e Energia mostrando que a maioria dos brasileiros é contra o horário de verão, e acabou com a medida. Nesta semana, convocou seguidores a responderem uma enquete em sua página pessoal para sacramentar o fim dos radares móveis.

Se você gosta de pagar multa, né, ainda mais nesse padrão escondido, bota lá que é a favor do radar móvel. Se tu é contrário, vota o contrário. Vai servir inclusive, né, pra decidir se teremos ou não radares móveis no Brasil. No meu voto, eu vou votar para acabar com o radar móvel.
Jair Bolsonaro, na quinta-feira (7)

A afirmação foi feita em sua página no Facebook, onde tem mais de 20 milhões de usuários (entre curtidas e seguidores). A amostra, do ponto de vista estatístico, não é representativa de todo o país - exclui, por exemplo, 35% da população brasileira que não acessa a internet, além daqueles que não usam Facebook, nem seguem a página do presidente.

Ainda assim, Bolsonaro afirmou que vai promover em sua página na rede uma enquete para decidir se retira radares móveis. Ele deu sua definição para o conceito:

"Você sabe o que é radar móvel? É aquela multa que 'tu' tá em casa e chega. A rodovia era 80, tu passou acima de 96 e chegou a multa em casa. Logo naquele ponto, que não tinha problema nenhum, um retão, não tinha nada demais tu botar 110, 120, nada demais, aí você passou 10, 20%, 96, e créu", disse.

Na verdade, radares móveis são dispositivos instalados para medir a velocidade dos veículos. Diferentemente dos radares fixos, instalados em pontos que se tornam conhecidos por motoristas e aplicativos com o tempo, os móveis criam um efeito surpresa e aumentam a capacidade de flagrar desrespeito a limites de velocidade.

Críticas a metodologias de institutos tradicionais

Desde que chegou ao poder, o governo Bolsonaro critica estudos desenvolvidos por demógrafos e estatísticos.

Para Bolsonaro e Paulo Guedes, ministro da Economia, o IBGE não usa metodologia correta para medir o desemprego.

Na última semana, em cerimônia de lançamento do Atlas da Violência, Carlos von Doellinger, presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) também discordou do diagnóstico feito pela própria equipe de pesquisadores. Ele criticou as análises feitas pelos pesquisadores sobre o impacto da flexibilização da posse e do porte de armas por decretos do presidente.

Mudanças na CNH

Acompanhado dos ministros Paulo Guedes, Tereza Cristina (Agricultura) e Bento Freitas (Minas e Energia), Bolsonaro voltou a falar das propostas do governo para alteração das regras de trânsito no país. Na primeira intervenção sobre o tema, afirmou que "nem precisava de lei" para que as crianças andem em cadeirinhas no banco de trás dos veículos.

"A questão da cadeirinha. Quem decidiu a multa foi o Contran. Então qualquer pessoa multada, era uma multa de 300 reais, mais sete pontos na carteira, recorria judicialmente e ganhava.", afirmou.

"Ou seja, não tinha 'multagem' [sic] e nem a perda de pontos na carteira. Que que nós fizemos? Criamos a figura da advertência, e não tem multa obviamente. Porque eu acho que advertência é mais que suficiente. E outra, está mexendo com o seu filho. Precisa estar na lei algo para o teu filho ser protegido? Nem precisava de lei. Quem tem responsabilidade sabe disso. Estão me acusando de atentar contra a vida da garotada, e é exatamente o contrário."

O presidente também reiterou que, "por ele", a CNH teria limite de 60 pontos. "Chama o taxista e pergunta se ele perde sua habilitação com facilidade ou não", disse.
Ataque aos fiscais

Meio Ambiente

No mesmo dia em que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi vaiado em seu depoimento no Congresso, Bolsonaro utilizou a transmissão ao vivo para atacar os fiscais que atuam no campo. Tal qual Salles, o presidente já mostrou diversas vezes seu descontentamento com o que chama de "indústria da multa" do Ibama e com o "ambientalismo xiita".

"É difícil ser patrão no Brasil", disse Bolsonaro sobre o suposto alto volume de multas, logo interpelado pela ministra Tereza Cristina: "As multas são feitas por cada um, cada fiscal faz da sua maneira. (...) Alguns eles têm que multar mesmo, mas não pode sair multando indiscriminadamente."

Paulo Guedes também deu sua opinião. "As leis no Brasil destroem recursos. Por que um país tão rico em recursos naturais é hoje um país empobrecido? (...) Por que o Brasil também parou de crescer? Quando nós vamos ver, são leis inadequadas", disse o ministro da Economia.

Bolsonaro também citou, como locais que podem ser mais explorados, principalmente para fins turísticos, a baía de Angra dos Reis (RJ). Ele já mostrou interesse em alterar a área de proteção ambiental onde fora multado por pesca ilegal em 2012. A multa foi posteriormente anulada pelo Ibama.

"Eu gostaria de fazer na baía de Angra o maior ponto turístico do Brasil, quiçá do mundo. Esse decreto [que estabeleceu uma Estação Ecológica no local] é de 90. Naquele tempo você podia pescar ali, descer de arpão e pegar um robalo. (...) Hoje em dia não pode. Água parada, quente, e você não pode fazer nada", disse.

Mais Governo Bolsonaro