Topo

Bolsonaro sobre críticas a PGR: Se não acreditam em mim, mais cedo PT volta

Presidente da República, Jair Bolsonaro, fala à imprensa no Palácio da Alvorada, em Brasília - 02.set.2019 - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Presidente da República, Jair Bolsonaro, fala à imprensa no Palácio da Alvorada, em Brasília Imagem: 02.set.2019 - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

05/09/2019 19h12Atualizada em 05/09/2019 22h36

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) conversou, hoje, com eleitores em Brasília sobre a indicação do subprocurador-geral Augusto Aras, ex-aliado do PT, como novo PGR (Procuradoria-Geral da República).

"A nossa vida não é fácil, qualquer decisão tomada para um lado ou para outro tem problema. Hoje, não tenho vetos na lei do abuso de autoridades. Acolhi todos os indicados do Moro, pelo nosso advogado geral da união, pelo CGU e pelo chefe da Casa Civil. Indiquei à tarde o PGR. Estou recebendo muita crítica de gente que votou em mim. Se não acreditam em mim e continuar fazendo esse trabalho de não acreditar, eu caio mais cedo, mais cedo o PT volta. Vamos esperar dar um tempo ao novo PGR, o universo era pequeno, e eu tinha que escolher", disse.

O presidente também falou sobre Raquel Dodge, procuradora-geral da República. O mandato dela termina no dia 17 deste mês. Ontem, Dodge viu um grupo de procuradores ligados à Lava Jato pedir demissão coletiva por incompatibilidade com ela.

"Outros acusam de um montão de coisas por eu teria escolhido esse cara e não outro. A Raquel Dodge estava na fita, ontem teve um problema. Alguém viu o problema de ontem? Não vou acusá-la de nada", declarou Bolsonaro, que ainda citou Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

"O Dallagnol é outro também que jogou pressão para colocar... Alguém sabe da vida dele no tocante da ideologia de gênero? Família? Questão ambiental? E ele fica enchendo meu saco dando palpite. Não conhece nada no tocante disso daí", declarou.

Após a escolha de Bolsonaro, Aras será sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Em seguida, sua indicação irá a votação no plenário, e ele precisará dos votos da maioria absoluta dos senadores.

Mais Política