Topo

'Disseram ter chamado o padre para a extrema-unção', diz Marco Aurélio

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Paulo

17/10/2019 16h55Atualizada em 17/10/2019 17h43

Resumo da notícia

  • Ministro Marco Aurélio começou sessão brincando, dizendo que havia ressuscitado
  • "Me disseram que eu estaria num hospital, entubado", afirmou
  • Aproveitou o tema para criticar o sistema de plenário virtual do STF
  • Ministro negou mais cedo que tivesse passado mal hoje

O Ministro Marco Aurélio Mello, relator das ADCs (ações declaratórias de constitucionalidade) que estão sendo julgadas hoje no plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) e que podem mudar o entendimento atual da corte que permite o início do cumprimento da pena após condenação em segunda instância, ironizou a ampliação do plenário virtual, medida definida na resolução 642, editada pelo STF em junho deste ano.

"Hoje pela manhã me disseram que eu estaria num hospital, entubado e que já teriam chamado o padre para a extrema-unção. Uma observação, presidente [Dias Toffoli]: isso jamais ocorreria. Imaginemos este julgamento num plenário dito virtual. (...) Enquanto eu estiver com a capa sobre os ombros, como relator, não inserirei, a não ser para definir a repercussão geral, qualquer processo no plenário virtual", afirmou o ministro.

Marco Aurélio ironizou a economia que pode ser gerada pela iniciativa e ressaltou. "Um integrante do tribunal, que foi presidente da Corte, chegou a dizer um dia que alcançaríamos um tempo em que votaríamos de qualquer parte do mundo. Talvez houvesse economia para o país, tendo em conta o prédio principal do Supremo e os dois anexos", disse.

Em seguida, o ministro ressaltou a importância do julgamento de hoje e afirmou que, para ele, "[está] em jogo a ordem jurídica" e que por isso pediu tempo para um relatório circunstanciado das ações que serão julgadas a partir de hoje pelo plenário do STF, as ADCs 43, 44 e 54.

Em junho, o STF ampliou o plenário virtual, incluindo novos tipos de ações que podem ser julgadas virtualmente, como alguns tipos de medidas cautelares e tutelas provisórias.

A referência à saúde, usada por Marco Aurélio para iniciar a crítica ao STF, se deveu ao relato divulgado por diferentes veículos de comunicação de que o ministro teria sofrido uma queda de pressão e havia necessitado atendimento médico. A informação foi negada pelo gabinete do ministro, que afirmou que quem teria passado mal havia sido um funcionário de sua equipe.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Política