Topo

AI-5: Tem que estudar como fazer, diz general Heleno sobre fala de Eduardo

10,jul.2019 - General Augusto Heleno, chefe do GSI, durante audiência na Câmara dos Deputados - FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
10,jul.2019 - General Augusto Heleno, chefe do GSI, durante audiência na Câmara dos Deputados Imagem: FÁTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

31/10/2019 17h58

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, comentou a declaração dada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre uma possível volta do AI-5.

Em entrevista ao "Estado de S. Paulo" na tarde de hoje, o general afirmou que ainda não havia assistido à entrevista concedida para a jornalista Leda Nagle, mas, ao contrário de outras pessoas ligadas ao governo, não repudiou as declarações de Eduardo.

"Ele estava sob forte emoção com esse negócio da TV Globo. Tudo isso tem de ser considerado. Essas coisas, hoje, num regime democrático... é complicado. Tem que passar em um monte de lugares. Não é assim. O projeto do Moro, fundamental para conter crime, não passa. Fazem de tudo para não passar. O pessoal não quer, não quer nada que possa organizar o país. Não quer dizer que isso vai organizar o país. Mas isso aí não é assim, vou fazer e faz. Então, não tenho o que falar", declarou o ministro.

Apesar da declaração do general Heleno sobre a reportagem veiculada pela TV Globo, Eduardo concedeu a entrevista a Leda Nagle na última segunda-feira, data em que a emissora ainda não havia exibido a matéria que liga o nome do presidente Jair Bolsonaro ao assassinato da vereadora Marielle Franco.

General Heleno disse que "não ouviu" Eduardo Bolsonaro falar em implementar o AI-5 nos dias de hoje. Ele ainda analisou os protestos recentes que ocorrem no Chile e indicou qual seria o caminho a ser trilhado caso o Brasil passasse por situação semelhante.

Se falou [em AI-5], tem que estudar como vai fazer, como vai conduzir. Acho que, se houver uma coisa no padrão do Chile, é lógico que tem que fazer alguma coisa para conter. Mas até chegar a esse ponto tem um longo caminho
general Heleno, ministro do GSI, ao Estado de S. Paulo

"Não presenciei os movimentos do Chile. O que a imprensa noticia normalmente não é a verdade. Isso a gente já se acostumou no Brasil. A imprensa não está acostumada a falar a verdade. Ela torce para o lado que ela quer. Notícia de jornal, televisão, é toda manipulada a favor ou contra ao que interessa aquele canal. Até os sites de redes sociais são manipulados."

O general ainda fez críticas diretas ao Estadão e não quis fazer nenhum comentário sobre uma possível implementação do AI-5.

"Estou fora há 10 dias e não tenho ainda informações seguras sobre o que houve no Chile. Hoje em dia não acredito em nada da imprensa. A imprensa hoje eu falo com muito receio que é tudo com segundas intenções, como uma coisa já pensada. O telefonema (do Estado) já foi sobre algo que você quer uma resposta, eu sei qual a resposta que você quer, não vou te dar essa resposta. Pode escrever o que você quiser. Vocês estão tão desacreditados que pode escrever o que você quiser", disse o general, que complementou:

"(Sobre o AI-5) Isso aí para mim não faz sentido, não ouvi sobre isso, ele não comentou com a gente."

Política