Topo

Eleições 2020


PSDB estuda ter mulher como vice de Covas e vê Tabata Amaral como opção

A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) em evento em São Paulo - Paulo Guereta - 31.out.2019/Agência O Dia/Estadão Conteúdo
A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) em evento em São Paulo Imagem: Paulo Guereta - 31.out.2019/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

11/11/2019 04h00Atualizada em 11/11/2019 19h08

Resumo da notícia

  • Presidente do diretório, Fernando Alfredo defende que vice de Covas seja uma mulher
  • Dirigente citou a deputada federal Tabata Amaral como um "provável nome"
  • Covas está internado em tratamento contra um câncer, mas PSDB mantém candidatura
  • Alfredo é favorável a que o ex-governador Geraldo Alckmin seja vereador em São Paulo

O PSDB paulistano estuda ter uma mulher para compor a chapa com o prefeito Bruno Covas, candidato à reeleição, para a eleição de 2020. E um nome levantado para a posição é o da deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), que está de saída de seu partido.

Em entrevista ao UOL, o presidente do diretório municipal do partido, Fernando Alfredo, também quer que o ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) dispute uma cadeira como vereador.

A escolha da composição da chapa deve contemplar "o melhor cenário para a eleição do Bruno", disse Alfredo, que também coordena as discussões sobre a candidatura do prefeito, que, hoje, enfrenta um tratamento contra um câncer.

"Eu, particularmente, defendo que seja uma mulher [para vice]", disse Alfredo. A reportagem questionou qual nome poderia ser, lembrando que a principal liderança feminina do partido em São Paulo hoje é a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP).

Na sequência, o presidente disse que "nós temos trabalhado... o governador João Doria já fez o convite a Tabata para vir para o PSDB". Doria já chegou a defender que o "rosto do novo PSDB é das mulheres e dos jovens". Alfredo ainda não conversou com Tabata a respeito dessa possibilidade.

O presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo (esq.), o governador paulista, João Doria (centro), e o prefeito paulistano, Bruno Covas (dir.) - Divulgação - 14.abr.2019/PSDB
O presidente do PSDB paulistano, Fernando Alfredo (esq.), o governador paulista, João Doria (centro), e o prefeito paulistano, Bruno Covas (dir.)
Imagem: Divulgação - 14.abr.2019/PSDB

A deputada já anunciou que irá deixar o PDT, seu atual partido, e pede à Justiça para manter seu mandato na Câmara Federal. A assessoria de Tabata disse que, até o momento, a parlamentar não recebeu nenhum convite formal de nenhum partido, mas apenas sondagens. O foco neste momento, segundo sua equipe, é o processo na Justiça Eleitoral para que ela possa manter seu mandato após deixar o PDT.

Para Alfredo, Tabata possui um perfil tucano. "Tem muita sinergia nessa relação", comentou. O presidente apontou que ela "é um nome, um provável nome" para vice. "Agrega, menina nova, tem bandeira, tem o perfil do PSDB", pontuou sobre a parlamentar, que completa 26 anos de idade neste mês. "As pautas que ela defende têm muito a ver com o que a gente defende internamente. Mas, em 2020, o candidato a prefeito é Bruno Covas".

Tabata Amaral diz que vai à Justiça pedir mandato

UOL Notícias

Sem plano B

O presidente recebeu o UOL na sede do diretório e rejeitou a possibilidade de Covas não ser o candidato do PSDB na eleição de 2020. O prefeito está internado há duas semanas para o tratamento de um câncer. Ele, porém, não se licenciou do cargo e continua no comando da cidade, com o quarto do hospital tendo se transformado em seu gabinete.

Segundo Alfredo, os médicos apontaram que o quadro de Covas está evoluindo positivamente. Para ele, o risco de um abandono da corrida eleitoral e da prefeitura por questões de saúde é próxima a zero. "Não tem plano B", comentou.

O presidente ressaltou, porém, que a questão sobre vice está em aberto e que o tema é debatido com a base do PSDB e com os partidos aliados, como o Republicanos e o Democratas. "O vice ideal é aquele que aglutina, que soma", pontuou o presidente.

A questão deverá ganhar contornos finais apenas no começo do ano que vem. "Tudo ainda está nebuloso, mas é tratado às claras com nossos parceiros", comentou. "Mas nada impede de o PSDB ter chapa pura. Tudo ainda é embrionário."

Perguntado sobre a possibilidade de uma composição com o deputado federal Celso Russomanno (Republicanos-SP), Alfredo diz não saber "se efetivamente a candidatura dele [a cabeça de chapa] vá se consolidar", dependendo de outros fatores, como a vontade do político de querer "ser candidato, colocando na mesa todo esse histórico eleitoral dele".

Russomanno saiu derrotado nas eleições de 2012 e 2016 depois de ter começado a disputa na liderança das pesquisas para a Prefeitura de São Paulo. Na quinta, o deputado e o prefeito tinham um encontro agendado no hospital Sírio-Libanês, na capital, mas foi cancelado.

O nome de Tabata já vinha sendo apontado como possível candidata do PDT à prefeitura, apesar de ela ter negado essa possibilidade em algumas oportunidades. "Se a Tabata vier para o PSDB, se ela aceitar o convite que o governador João Doria fez e que eu estendi quando estive em Brasília com ela, ela tem um caminho a ser trilhado", disse Alfredo sobre ela disputar a prefeitura nas eleições posteriores a 2020.

Alfredo ressalta que a "política é dinâmica", mas que a coerência do PSDB é ter Covas como "candidato oficial à reeleição". "Ele é o capitão deste navio. E o partido aqui só está para dar o suporte do que ele determinar."

Em julho, Tabata disse que convidou Tabata para se filiar ao PSDB

Band Notí­cias

Alckmin vereador?

Alfredo defende que o ex-governador paulista e candidato tucano derrotado na última eleição presidencial, Geraldo Alckmin, dispute uma vaga para a Câmara Municipal. Procurado pelo UOL, Alckmin disse, em nota, que "não pretende ser candidato a vereador".

O presidente do diretório não acredita que o ex-governador virar vereador seja um demérito para o político. "Ele ser candidato a vereador não o rebaixa em nada. Só o engrandece. Ele não perde nada. Vai ser um vereador que vai ser referência na Câmara Municipal pelo que ele representa", comentou.

A estratégia é que Alckmin puxe votos para a disputa por uma vaga no parlamento municipal. Na eleição de 2020, os partidos não poderão fazer coligações para a disputa por vagas no Legislativo. "Quando você faz uma política partidária, você tem que estar à disposição de seu partido", comentou, descartando a possibilidade de o ex-governador disputar a prefeitura.

Alfredo também disse não acreditar que o atual líder das pesquisas para a prefeitura, o jornalista José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, irá realmente disputar o pleito. Datena é incentivado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) a estar na eleição. "Datena não vai largar o salário que ele tem na televisão e deixar de ser 'tacador' de pedra para ser vidraça. A gente sabe que é balão de ensaio", afirma o presidente do PSDB paulistano.

Coágulo no coração adia alta do prefeito Bruno Covas

Band Entretenimento

Eleições 2020