PUBLICIDADE
Topo

Regina vai ao Planalto e faz verso sobre mistério para assumir Cultura

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

29/01/2020 16h30Atualizada em 29/01/2020 17h10

A atriz Regina Duarte, 72, se reúne nesta tarde com Jair Bolsonaro (sem partido) para conversar sobre a possibilidade de assumir, enfim, o comando da secretaria especial de Cultura, pasta subordinada ao Ministério do Turismo.

A artista foi convidada pessoalmente pelo presidente da República em 20 de janeiro e, até o momento, se recusa a dar uma resposta formal. Nos bastidores, no entanto, ela já fez indicações para cargos dentro da pasta e tem mantido conversas com ministros.

Ao chegar ao Planalto, Regina recitou um verso improvisado e brincou com a "novela" criada acerca de sua decisão.

Para o sim, para o não, para o talvez, eu preciso de vocês. Olha, rimou
Regina Duarte, atriz e convidada para assumir a Secretaria da Cultura

Não ficou claro se ela se referia aos jornalistas que aguardavam na portaria ou se falava da população em geral.

A atriz, com mais de 50 anos de carreira, justificou-se em relação à demora para revelar a resposta. "O protocolo me impede". Posteriormente, disse aos repórteres que pediria a Bolsonaro uma orientação, isto é, se ela pode ou não se posicionar publicamente.

Regina afirmou ainda que "ama" Brasília e que "a cidade é maravilhosa". Questionada sobre suas propostas para a área da Cultura, declarou que "não poderia falar agora".

A atriz também esteve tem Brasília na semana passada, quando, mesmo sem ter anunciado que aceitava o convite, indicou como sua secretária-adjunta a reverenda Jane Silva, sua amiga. A atriz recebeu sinal verde do Planalto para formar sua equipe,

Caso passe a integrar o governo, a atriz terá de pedir suspensão da TV Globo, conforme nota lida no ar por William Bonner no Jornal Nacional. E em Brasília, terá de lidar com verbas restritas e uma "marcação" ferrenha da classe artística, segundo representantes do setor ouvidos pelo UOL.

Classes impactadas divididas e de olho em Regina

Para alguns integrantes da classe, Regina no governo daria continuidade ao que parte chama de políticas desfavoráveis ao segmento. Para outros, ela representa uma oportunidade de diálogo. A certeza é que, como secretária, Regina Duarte será monitorada de perto.

Em conversa com o UOL, um dos diretores do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Rio de Janeiro, que preferiu não se identificar, disse não ver a ascensão de Regina Duarte como retrocesso. Para ele, Regina pode fazer o governo se abrir mais para a classe artística.

A produtora cultural no Maranhão Luciana Simões, que trabalha com leis de incentivo à cultura e a Lei Rouanet, se queixa do tratamento dado pelo governo atual ao setor e espera que Regina ao menos abra espaço para o diálogo.

Política