PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Governo cancela nomeação de Dante Mantovani para chefia da Funarte

Dante Henrique Mantovani, que havia sido nomeado presidente da Funarte - Reprodução
Dante Henrique Mantovani, que havia sido nomeado presidente da Funarte Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

05/05/2020 19h08

O governo tornou sem efeito a portaria que nomeava Dante Mantovani como novo presidente da Funarte (Fundação Nacional de Artes). A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União na tarde de hoje e foi assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto.

Mantovani havia sido demitido do cargo há dois meses, quando a atriz Regina Duarte assumiu a secretaria especial da Cultura, mas foi nomeado novamente por portaria publicada na madrugada de hoje.

Na época da demissão, o então presidente da Funarte foi criticado por um vídeo publicado em outubro de 2019. Ele disse que "o rock ativa a droga, que ativa o sexo, que ativa a indústria do aborto, que, por sua vez, alimenta uma coisa muito mais pesada, que é o satanismo. O próprio John Lennon disse abertamente, mais de uma vez, que ele fez um pacto com o diabo para fazer sucesso".

A revista Crusoé informou hoje mais cedo que Regina Duarte acredita que pode estar sendo "dispensada" pelo presidente Jair Bolsonaro após ser surpreendida com a nomeação de Mantovani. Segundo a publicação, a frase foi dita em um diálogo entre a atriz e uma assessora enquanto o repórter esperava na linha.

"Que loucura isso, que loucura. Eu acho que ele está me dispensando", disse Regina, de acordo com a publicação, à assessora quando informada sobre a decisão anunciada hoje no Diário Oficial da União.

Mantovani tinha sido indicado ao cargo pelo antecessor de Regina Duarte, Roberto Alvim, que foi demitido após anunciar o lançamento de um prêmio cultural com um discurso aparentemente inspirado em Joseph Goebbels, ministro de Propaganda da Alemanha nazista.

Alvim, assim como os outros dirigentes demitidos por Regina Duarte, são discípulos de Olavo de Carvalho, que vive nos Estados Unidos e tinha declarado que Regina Duarte estava no cargo por indicação sua.

"Se a Regina Duarte quer mesmo se livrar de indicados do Olavo de Carvalho, a pessoa principal que ela teria de botar para fora do ministério seria ela mesma", escreveu no Twitter.

Política