PUBLICIDADE
Topo

Gilmar diz que 'terraplanistas' acreditam em fraude nas eleições de 2018

O ministro do STF Gilmar Mendes defendeu a segurança das urnas eletrônicas - ADRIANO MACHADO
O ministro do STF Gilmar Mendes defendeu a segurança das urnas eletrônicas Imagem: ADRIANO MACHADO

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

21/05/2020 20h31Atualizada em 21/05/2020 23h40

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes usou de ironia hoje para se referir às pessoas que apontam a possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas e chamou de "terraplanistas" os que suspeitam de irregularidades nas eleições de 2018.

A declaração do ministro foi dada na sessão de hoje, ao elogiar a forma como a ministra Rosa Weber, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) conduziu as últimas eleições presidenciais.

"Sua excelência enfrentou com muita valentia, mas muita sobranceria [altivez], todo aquele momento, enfrentando aquilo que ainda hoje de certa forma nós temos que ouvir e com eles conviver, os terraplanistas que defendem que a urna eletrônica é suscetível de fraude ou até que houve fraude nas eleições de 2018", disse Gilmar.

"Queria fazer esse registro e esses cumprimentos a ministra Rosa Weber. Ela soube dar uma resposta serena, efetiva, a esses terraplanistas da urna eletrônica", concluiu o ministro.

Terraplanista é como ficaram conhecidas as pessoas que defendem que o planeta terra tem o formato plano e não o de um globo, como é sabido.

Em sua crítica, Gilmar não citou exemplos de "terraplanistas", mas o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) é um dos que fazem críticas frequentes à segurança das urnas eletrônicas e em março disse possuir "provas", sem apresentá-las, de que "houve fraude" no resultado de 2018.

Durante a campanha de 2018 Bolsonaro fez repetidas críticas à segurança das urnas eletrônicas. Ele terminou eleito no segundo turno contra o candidato Fernando Haddad (PT).

Hoje, a ministra Rosa Weber presidiu pela manhã sua última sessão à frente do TSE.

Na próxima segunda-feira (25) assume a presidência da corte eleitoral o ministro Luís Roberto Barroso, também de origem no STF. Barroso vai comandar a realização das eleições municipais, previstas para outubro.

Política